Jogamos

Análise: Survive! Mr. Cube (Multi) consegue distrair, mas não muito além disso

O jogo da IntraGames funciona inicialmente, mas logo te vence pelo cansaço.


Survive! Mr. Cube (Multi) foi desenvolvido pela empresa coreana IntraGames, e foi seu primeiro título a chegar no Ocidente. Em primeiro momento esse game no estilo roguelike te conquista pelo seu visual cartunesco e até fofo, bem como sua jogabilidade divertida. Entretanto, depois de alguns minutos, o encanto acaba e você se vê trocando de jogo ou simplesmente desligando o console. Mas vamos dar uma olhada no que acontece com ele exatamente e se vale a pena tentar arriscar.

Uma desculpa funcional

Mr. Cube está vivendo uma vida feliz e prestes a se casar, até que um homem desconhecido lhe entrega uma pílula. Ao ingeri-la, ele desmaia e acorda em uma realidade diferente. Agora nosso único objetivo é sobreviver aos perigos que nos cercam até finalmente escaparmos. Todas essas informações são passadas por uma simples cena de corte, e funciona como uma desculpa para a ação do jogo.


Mesmo sendo bobo, o enredo simples é um dos seus pontos fortes. A vontade de achar uma saída, fazendo o Mr. Cube reencontrar sua noiva, era constante em todas as minhas jogatinas. Mas é nesse ponto que seus sistemas não ajudam.

Péssimas decisões de controle

Survive! Mr. Cube possui alguns sistemas bem ao seu gênero. É possível usar duas armas diferentes nas runs como espadas, lanças, escudos, cajados mágicos, armas de fogo, entre outros. Cada tipo tem suas variantes em força velocidade e elemento. Essa diversidade é ótima, e combinar tipos diferentes de equipamentos pode te salvar em momentos cruciais.



Esse sistema tem problemas, e a variedade não salva o péssimo controle. Para atacarmos usamos o direcional R do controle. Essa estranha decisão gera alguns momentos frustrantes, principalmente se é usado uma arma de longa distância, como um arco. Já que não existe sistema de mira, temos que mover o analógico R para a direção que queremos e rezar para que acerte alguma coisa.

Nas minhas jogatinas eu procurei usar apenas armas de curta distância e que era fácil atingir mais de um inimigo, que, por sinal, não são muito inteligentes e dependendo do seu Cube (explico isso mais para frente) você irá morrer muito facilmente.

Preciso de um Cube mais forte

A morte é algo recorrente nesse jogo, e é nos ensinado isso nos primeiros momentos jogando. Somos fracos, e mesmo com as nossas armas e vantagens, falhar é algo simples e toda vez que isso acontece, voltamos para o primeiro portal. Para nos fortalecer temos a opção de ganhar uma arma ou item de evolução em uma lápide, ou comprar esses itens com um sujeito misterioso. Para isso usamos as moedas que adquirimos ao eliminar algum inimigo.

Esse sistema de morte fácil não é novidade, mas nesse jogo ela acontece até de forma injusta e frustrante. Já perdi para um Cube com apenas um golpe, e ainda estava com a barra de vida cheia. As armas não tem balanceamento, vence quem tem a mais forte. Terminei a fase The Unknown Forest usando apenas uma Shotgun, e eu simplesmente comecei o jogo com ela após morrer.


Isso pode não ser um problema de início, mas se torna depois de perder de forma estranha umas 5 vezes. E em todas essas vezes trocamos de Cube, que são os corpos que usamos na nossa aventura, podendo ser um guerreiro de armadura, um ninja, até uma maga. Todos têm seus atributos, como velocidade, tamanho da barra de vida, tamanho da barra da estamina, entre outros.

Podemos evoluir o Cube conforme progredimos no jogo, mas isso acontece apenas se acharmos algum item de UP. O que também ajuda são as vantagens com poções, como a roxa que aumenta nossa velocidade, ou a vermelha que faz nossa barra de vida preencher mais rapidamente. Esse sistema até funciona de forma bem interessante.

As fases e seus inimigos

Muitos são os adversários que enfrentamos no jogo, como aranhas, com várias variantes, goblins, também bastante diversificados, lobos, e até outros Cubes, que são os mais dificil de se vencer, mas se derrotados, podemos usar a arma que eles estavam carregando. Esses NPC são chatos e muito poderosos quando você tem uma lança e ele uma flecha que explode, por exemplo.

Os inimigos não são muito inteligentes, usando e abusando dos mesmos movimentos, como ficar andando em círculo ou simplesmente atacando sem parar. Tirando os minibosses de cada sala (variando apenas de um outro Cube a inimigos padrões, só que mais fortes) e o boss final de fase, não temos muitos desafios.



E para chegar no inimigo mais difícil da fase temos que andar por todas as salas, uma por uma, sem morrer nenhuma vez. Isso não seria um problema, o gênero de dungeons é neste formato mesmo, mas cada mapa é muito grande, e 25 deles é um número bem maçante. Se você estiver com um Cube lento, é ainda pior.

Talvez melhor não

Survive! Mr. Cube é um jogo com um objetivo simples, te distrair quando não se tem muito o que fazer, porém isso não acontece. As mecânicas mais profundas são os itens coletados na exploração das salas. A frustração e a vontade de desistir é constante, já que por mais de 25 vezes, você faz a mesma coisa, as mesmas cenas quando você morre, os mesmos inimigos, de novo e de novo.



Para aqueles que procuram um jogo de dungeon mais interessante, indico Moonlighter (Multi). Nele você é um vendedor dono de uma loja, com isso você tem que buscar nas masmorras os itens mais raros para vender e evoluir seu trabalho. E se você arriscou Survive! Mr. Cube, digam o que acharam nos comentários.

Prós

  • Uma desculpa boba, mas funcional, para a ação;
  • O sistema de level up funcionar por itens;
  • A variedade dos equipamentos e itens como vantagens.

Contras

  • Pouco conteúdo para muitas horas de jogatina;
  • O loading inicial demora muito;
  • Os controles são frustrantes em alguns momentos;
  • Os Cubes podem te matar muito facilmente, principalmente se tiverem uma arma de fogo;
  • Achar o último boss da fase é um processo bem cansativo.
Survive! Mr. Cube - PS4 / iOS / Android - Nota: 4.5
Versão utilizada para análise: PS4
Análise produzida com cópia digital cedida pela IntraGames
Revisão: Júlio César
Matheus Bigai Ferreira escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook