Blast Test

Treadnauts (PC) é um multiplayer empolgante com tanques e muitas explosões

Disponível no Acesso Antecipado do Steam, este título indie traz uma experiência party game muito divertida e acessível.


Treadnauts é um jogo de arena competitiva com conceito inusitado: até quatro jogadores participam de batalhas controlando tanques, tentando explodir uns aos outros. Com uma pegada meio party game, o título de visual colorido oferece partidas rápidas, acessíveis e divertidas. O jogo está disponível no programa Acesso Antecipado do Steam e já apresenta base sólida, sendo assim chamei alguns amigos para testá-lo e gostamos bastante.

Tanques acrobáticos

Uma partida de Treadnauts é fácil de explicar. Até quatro participantes controlam tanques e tentam derrotar os outros ou ser o último sobrevivente. Os veículos apresentam várias particularidades: eles pulam, giram no ar, se lançam com tiros de canhão e suas esteiras grudam em qualquer superfície — ou seja, eles andam pelas paredes e pelo teto. Os comandos são bem simples: um botão para pular, outro para atirar e um terceiro para deslizar pelos cenários.


Bastam alguns segundos para dominar os pequenos tanques e sair explodindo tudo nas batalhas. Cada round do jogo acaba rapidamente, às vezes em segundos, e a ação é constantemente caótica e frenética. Os blindados são ágeis e a física é apurada, permitindo, assim, realizar movimentos complexos — minha ação preferida é pular, girar o tanque e usar os tiros para me lançar e atropelar oponentes. Há uma leve sensação de que os comandos são um pouco soltos, trazendo muita imprevisibilidade às partidas, como situações em que acabamos nos matando acidentalmente.

Até o momento, Treadnauts conta com multiplayer local e online para até quatro jogadores, porém não há opção de colocar oponentes controlados pelo computador. O único modo para um único jogador consiste em destruir rapidamente alvos espalhados pelos cenários, abusando das acrobacias dos tanques.


Beleza e variedade

Fiquei muito surpreso com o grau de polimento de Treadnauts, mesmo ele estando em Acesso Antecipado.

As mecânicas básicas do jogo são sólidas e funcionam muito bem. Rapidamente eu e meus amigos já estávamos nos divertindo controlando os pequenos tanques e fazendo manobras malucas. Testamos, também, os vários modificadores de partida, como balas que rebatem pelos cenários, gravidade espacial, ataques depois de ter sido derrotado, projéteis em forma de granada e muito mais. As quatro áreas disponíveis alteraram bastante as batalhas com suas particularidades: não é possível grudar nas paredes na fase de gelo Salt Harbor, a cidade Wave District tem vários buracos, já Rust Valley tem minas e explosivos espalhados pelas áreas. A combinação dessas opções já oferece boa variedade na experiência de jogo. O único porém é que o conteúdo de Treadnauts é liberado bem lentamente — entendo que é um incentivo para jogar, mas poderia ser mais rápido ou simples.


Outro detalhe que cativa bastante é o visual carismático com direção de arte que remete a um desenho animado. Os cenários são bem bonitos, representados tons suaves e muitos pequenos detalhes, como a grama se mexendo com o movimento dos tanques no estágio Dreamland. Os pilotos são inusitados e apresentam tanques de design distinto: a garota Momo conta com próteses mecânicas nos braços e usa uma jaqueta rosa brilhante, Wagner parece um vilão canastrão com sua exótica máscara, Rohan me lembrou um capitão de um grande cargueiro daqueles desenhos animados antigos. Até as transições nos menus são estilosas com várias silhuetas coloridas.

Pequenos percalços

O principal problema de Treadnauts diz respeito ao conteúdo, o que é até justificável por ser um título em Acesso Antecipado. Mesmo com um monte de modificadores e vários mapas por arena, senti falta de mais estágios — depois de algumas partidas, certas áreas se repetem. Também gostaria que mais personagens estivessem disponíveis além dos cinco já inclusos.

A experiência como multiplayer local é ótima, já os modos para um único jogador deixam a desejar. A única modalidade disponível offline para uma única pessoa é o Teste de Mira, que consiste em destruir rapidamente alvos espalhados por cenários. É um modo legal e desafiante, exigindo domínio das técnicas avançadas para conseguir boas pontuações, porém a dificuldade é alta demais — parece direcionado para entusiastas.


As batalhas multiplayer também podem ser jogadas online, mas é extremamente difícil encontrar uma partida livre, provavelmente por conta da quantidade reduzida de jogadores atualmente. No momento, a melhor opção é acessar o canal do Discord do jogo em busca de oponentes. Torço para que os desenvolvedores incluam mais modos solo ou oponentes controlados pelo computador.

Um multiplayer viciante

Treadnauts agrada com jogabilidade divertida e mecânicas únicas. O foco é o modo multiplayer, que é bem acessível, variado e repleto de momentos malucos — a graça é justamente derrotar o oponente com algum movimento impressionante. A experiência é complementada com características bem acabadas, como visual impecável, modo online e personalização de partidas. Porém, no momento, o jogo carece de mais conteúdo, principalmente para um único jogador. No seu atual estado, Treadnauts oferece uma experiência sólida e perfeita para curtir com os amigos. A versão final está programada para sair ainda em 2018 e há previsão de ser lançado também para consoles.
Farley Santos é brasiliense e gosta de explorar games obscuros e pouco conhecidos. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de boardgames, game music, fotografia e livros. Além de mostrar seus cliques no Flickr, tem também um blog onde escreve sobre inúmeros assuntos.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook