Jogamos

Análise: Doki Doki Literature Club (PC) quebra de forma criativa o modo de se jogar videogame

O jogo te engana e lhe proporciona uma experiência única e madura.

Já faz um bom tempo desde que jogos conseguiram romper com a velha fórmula “arroz com feijão” à qual eles involuntariamente se prendem em cada um de seus gêneros. É bem verdade que vez ou outra temos um Default Dan (PC) ou um Undertale (PC/PS4), que desconstroem seus gêneros e reinventam a forma como devemos jogá-los, e é justamente nesse contexto de reimaginação que Doki Doki Literature Club (PC) se encaixa de forma primorosa (talvez até mais do que já se viu atualmente).

O que vem por ai não é o que você espera...


De primeira impressão Doki Doki Literature Club pode parecer uma daquelas obras das quais muitos julgam o conteúdo pela capa, mas não se engane com seus personagens fofos em cenários alegres e vivos. Há muito a se explorar no universo em questão, sem mencionar que é um daqueles raros título de “quanto menos você souber a respeito, melhor será sua experiência”, e devido a isto procuraremos ressaltar nessa análise apenas o básico do que você precisa saber, evitando qualquer tipo de spoiler.

Produzido pelo estúdio indie Team Salvato, o jogo é uma Visual Novel, gênero no qual você segue uma história realizando escolhas que lhe direcionam para diferentes caminhos. Este gênero é muito popular no oriente, principalmente por mesclar animação japonesa no molde de jogo eletrônico (muitos animes inclusive surgiram de Visual Novels), mas de alguns tempos pra cá também tem ganhado seu espaço no meio ocidental.
Não são só asiáticos que tem curtido waifus ultimamente

A história do jogo acompanha seu personagem em aventuras no Clube de Literatura da sua escola ao lado de quatro garotas: Sayori, sua melhor amiga de infância bastante animada e extrovertida; Yuri, uma jovem bem reservada e tímida que tem uma enorme paixão por livros; Natsumi, uma garotinha bem enfezada que atua como a “curta e grossa” da equipe; e Monika, a garota mais popular e benevolente presidente do clube. Todas as quatro personagens são muito bem trabalhadas no jogo e trazem grande peso para o enredo.

Falando em enredo, eis aqui um dos pontos mais brilhantes do jogo. Ele não se prende a algo muito complexo, quando comparado com outros jogos do gênero, visto inclusive a sua simplicidade no desfecho: tente seguir sua vida afeiçoando-se mais a uma das garotas. No entanto, por mais clichê que isso possa parecer, a história lhe reserva ótimas reviravoltas durante a jogatina (principalmente quando jogado pela segunda vez).
Basta seguir adiante com uma felizarda, mas tenha cuidado...

Inicialmente ele pode parecer maçante, além de exigir muita leitura da parte do jogador (o que pode ser um pouco cansativo para quem não está tão habituado com o gênero), mas do terceiro dia em diante a tensão começa a aumentar e o jogo de prende por completo, chegando ao ponto em que você já não sabe mais o que de fato está acompanhando (ou jogando). Posso afirmar que é surpreendente a forma como o enredo se subverte de uma hora pra outra.

Ampliando a forma de se jogar


O gameplay é outra parte do jogo bem simples, mas que reserva boas surpresas e segredos. Ele possui bastante texto e pouca intervenção de sua parte em relação ao vínculo de seu personagem com as NPCs, além de ser bastante seletivo nos momentos de oferecer opções, os quais funcionam como verdadeiros “fogos cruzados”. Em compensação, Doki Doki te dá uma liberdade maior nos controles de salvamento, onde é possível salvar o jogo a qualquer hora e revisitar os momentos já passados para tomar uma decisão diferente.
Veja lá o que vai botar nesse poema!

Inicialmente, o jogo parece lhe oferecer escolhas apenas no momento de “escrever” o seu poema, o que de certa forma já define o rumo que seu personagem tomará na história, isso porque cada palavra que você utilizar para fazer sua poesia te aproximará ou afastará de uma determinada garota (razão pelo qual você deve prestar bastante atenção nos gostos pessoais de cada uma). Quanto mais você avança com uma das personagens, novas artes da mesma vão sendo liberadas, o que já é esperada de uma Visual Novel que se utiliza dos clichês em sua própria construção. A propósito, a parte artística do jogo é um charme à parte, e sua trilha sonora também é bastante harmônica, casando perfeitamente com cada ocasião, tanto nos momentos mais leves quanto nos mais pesados.
Aqueles momentos em que você pergunta "o que está acontecendo?"

Aparentemente as mecânicas podem parecer superficiais, mas é após a conclusão da primeira etapa de Doki Doki que sua forma de se jogar consegue ser muito mais ousada. Sem querer dar revelações comprometedoras, quando você menos esperar Doki Doki te arremessará para uma experiência que vai muito além da tela do jogo, com certas coisas aparecendo e desaparecendo simplesmente do nada. É apenas isso que direi.

Apenas jogue e entenderá!


Chega a ser difícil descrever um jogo como Doki Doki Literature Club sem revelar certas coisa sobre o mesmo de tão singular que ele é em relação não apenas a outros de seu gênero, mas também a outros jogos de videogame. Pessoalmente acho que um dos títulos mais similares a sua proposta é OneShot (PC), e mesmo assim Doki Doki ainda consegue abranger muitos conceitos polêmicos e impactantes em sua estrutura, tanto que o próprio jogo deixa claro isso antes mesmo de você iniciá-lo, além de não ser algo para quem pode se chocar com facilidade. Acredite, não é um jogo family friendly.
Achou fofinho? Depois não diga que o jogo não te avisou...

Em resumo Doki Doki Literature Club é uma ótima paródia ao seu próprio gênero trazendo uma narrativa inovadora e exclusiva em sua proposta. Mesmo com poucas interações de gameplay, todo o desenvolvimento é muito bem pensado, conseguindo passar diferentes sentimentos e sensações, desde alegria e descontração a medo e agonia. Os desenhos e a música são bem trabalhados, embora sejam os mais clichês e previsíveis, já que são propositais para o estilo e tem total funcionalidade aqui para passar a ideia concreta de veracidade em um Visual Novel.

Se você é daqueles que já curte o gênero, Doki Doki é uma experiência mais do que obrigatória. Mas caso você nunca tenha pego nada desse estilo, esta pode ser a chance de experimentar algo novo, pois é garantido que você não irá se arrepender. Pra finalizar, Doki Doki Literature Club é um jogo gratuito que pode ser baixado no Steam e que não só deve ser experimentado mas também discutido, e mostra de forma primorosa o caminho que outros desenvolvedores indies devem tomar daqui por diante. Apenas pegue-o, jogue-o e se surpreenda.

Prós

  • Ambientação interessante;
  • Personagens carismáticos;
  • Ótima trilha sonora;
  • Plot-twists inesperados;
  • Subversão do gênero de forma inteligente.

Contras

  • O início é meio maçante e demora para prender a atenção de jogadores ocasionais.

Doki Doki Literature Club — PC — Nota: 10

Revisão: Bruno Alves
Áquila Braga escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook