IFRN apresenta a história dos videogames para seus alunos em evento letivo

Em evento letivo ocorrido neste último final de semana, o IFRN convidou o Museu do Videogame Potiguar para fazer uma exposição de parte do seu acervo.



No último dia 04 o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Campus Ceará-Mirim, convidou o Museu do Videogame Potiguar para fazer uma exposição de parte do seu acervo no Evento Letivo, direcionado à turma de Jogos Eletrônicos daquele Campus.


Neste evento os alunos conheceram mais a história dos videogames, puderam jogar em consoles clássicos como o Atari 2600, Super Nintendo, Nintendo Wii, e ainda experimentaram clássicos dos arcades da Neo Geo, graças a uma placa MVS adaptada que faz parte da jogatina do Museu do Video Game Potiguar.


Além disso eles ainda acompanharam toda a evolução dos consoles, desde a primeira geração até a sexta, com o último console lançado no século XX, o Sega Dreamcast de 1998. E também uma parte especial para os clones lançados nas décadas de 80 e 90 tanto de Atari como de Nintendos.
Primeiro videogame do mundo: Magnavox Odyssey de 1972

A jóia rara da apresentação para os alunos foi a exposição do primeiro console caseiro do mundo, o Magnavox Odyssey de 1972, onde muitos ficaram fascinados em poder ver ali como tudo começou. Além da exposição de verdadeiras relíquias, como os Intellivisions, o Astrocade, o Vectrex (console do início dos anos 80 que usava gráficos 100% vetoriais), o Atari 7800 e o Nintendo Virtual Boy. Muitas dessas peças os alunos só foram conhecer naquele momento.

Dentro da exposição, membros do Museu contavam a história de cada um daqueles consoles, data de lançamento, principais jogos, gráficos. Tudo de forma bastante didática para que os alunos compreendessem como eram os jogos daquela época, como eles eram feitos, e como cada geração evoluiu de uma para outra até chegar nas poderosas máquinas que temos hoje.

O principal objetivo da exposição, foi mostrar como os videogames podem ser uma poderosa ferramenta didática, como a história de cada um vai servir de aprendizado para que as novas gerações de programadores possam progredir cada vez mais no desenvolvimento dos jogos.

Foi uma experiência inesquecível para os alunos do IF e eles saíram de lá com uma bagagem bem maior de conhecimento. Parabéns ao IFRN de Ceará-Mirim e ao Museu do Videogame Potiguar por demonstrarem muito bem como esses maravilhosos consoles podem ser peças extraordinárias de aprendizagem.

Lúcio Amaral escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook