Top 10

Semelhanças entre Sonic Forces (Multi) e os quadrinhos de Sonic (Archie Comic)

“Referências” chega a ser uma palavra fraca nesse quadro comparativo.

Sonic Forces (Multi) finalmente foi lançado, e entre os altos e baixos que a crítica e o público tem apresentado, o jogo tem proporcionado os seus momentos de diversão para muitos. Entre alguns pontos bem avaliados está a sua história, com um enredo mais maduro e uma temática meio pesada. No entanto, para quem acompanha Sonic em outras mídias (em especial nos quadrinhos), é possível ver como este jogo possui algumas semelhanças gritantes com o universo das HQs do ouriço produzidas pela editora Archie Comic. Deste modo, vejamos ideias e conceitos que ambos partilham, e veremos que as histórias têm mais em comum do que imaginamos.

ATENÇÃO: Esse top 10 possui possíveis SPOILERS sobre Sonic Forces, bem como das HQs de Sonic, então esteja avisado!

10 - Dominação Mundial


Sonic Forces começa com um desfecho no mínimo intrigante: o Dr. Eggman conseguiu finalmente realizar o seu sonho de dominar o mundo, possuindo cerca de 99% de todo o planeta sob seu poder. Nos quadrinhos de Sonic, o cientista também é apresentado como um tirano que comanda a maior parte do mundo; na verdade Robotnik é retratado como um homem que em tempos passados havia ajudado o reino dos mobianos, raça a qual Sonic e seus amigos pertencem, mas que tempos depois se mostrou um traidor, dando um golpe de estado sobre o Rei Acorn e tomando todo o seu domínio. Junto com seu exército conseguiu conquistar boa parte do mundo, escravizando uma considerável parcela da população, que eram transformados em robôs, e caçando aqueles que viviam se escondendo nas demais partes do globo.

Eggman promove o caos em todo o mundo com suas máquinas de guerra

Apesar de Robotnik nunca ter conseguido derrotar Sonic nas histórias, já que o ouriço sempre conseguia dar a volta por cima em qualquer situação, em ambos os casos temos o vilão mais famoso da série obtendo poder sobre o planeta e o regendo de forma abusiva, liderando o mundo tal qual um ditador, e Sonic surge com o herói mais apto para detê-lo.

Por toda parte, pobres mobianos eram oprimidos e escravizados pelo cientista

9 - Virando a casaca


Os quadrinhos de Sonic sempre foram repletos de plot-twists, como personagens mudando de lado vez ou outra. Certamente foi uma grande surpresa para muitos quando vimos que Sonic Forces traria Chaos e Shadow novamente como vilões, ainda mais depois de como esses personagens haviam se arrependido de seu histórico de maldade nos títulos anteriores: Ao final de Sonic Adventure (Dreamcast), Chaos voltou para a Master Emerald com o fim de evitar futuras catástrofes que ele pudesse causar a humanidade, assim como Shadow, no fim de seu jogo solo, passou a combater o mal que assolava o mundo em memória de sua promessa a Maria. Mas agora ali estão eles novamente, ao lado de Metal Sonic e Zavok, sendo liderados por Infinite e Eggman.

O que? Shadow e Chaos retornaram para o lado do mal? Traidores!

No universo das HQs não foram poucos os “mocinhos” que viraram a casaca, e alguns até mesmo faziam parte do grupo de Sonic e seus amigos, sendo os casos mais famosos o de Fiona Fox, segunda namorada de Sonic que o traiu com a contraparte maligna do herói conhecida como Scourge, e o Dr. Finitevus, que de início se apresentou como um aliado da tribo de Knuckles, mas tinha apenas como objetivo usar o equidna para ressuscitar a entidade maligna Enerjak. Claro que houve também casos em que o herói passou para o lado do mal contra sua própria vontade, como o próprio Sonic que perdeu seu livre-arbítrio após ser robotizado, e até mesmo casos inversos, como o do primeiro Metal Sonic que foi pro lado do bem, sendo que no jogo a explicação ficou mais em volta das mentes desses personagens sendo dominadas por um poder misterioso (alguém disse Phantom Ruby?).

Fiona se voltando contra Sonic e seus amigos

8 - Ataque dos Clones


Já que estamos falando de vilões, uma das maiores surpresas que o jogo traz é justamente que eles podem ser copiados e replicados pelo Infinite, que inclusive chega a fazer um exército de Shadows, Metal Sonics, Chaos e Zavoks, obrigando os heróis, com seus poucos recursos, a enfrentarem essas réplicas. Clones é algo muito comum em quaisquer quadrinhos, e com os de Sonic não foi diferente. Em uma das edições, Sonic e Shadow são obrigados a proteger Mobotropolis de um ataque de Neo Metal Sonics completamente descontrolados. Já em outra edição, Silver é mandado para uma dimensão obscura e tem de ajudar um pequeno grupo de rebeldes a enfrentar um exército gigantesco de criaturas plasmáticas semelhantes à Sonic e seus amigos, as quais são comandadas por Enerjak.
São apenas quatro vilões... replicados centenas de vezes.

Ainda falando de exércitos clones vale ressaltar que bem antes de Sonic Forces, jogos como Sonic Heroes (Multi) e Shadow the Hedgehog (GC/PS2/Xbox) também se utilizaram dessa ideia, apresentando um exército de robôs exatamente iguais ao Shadow sendo produzidos (e também em ação). Pelo que parece Forces só aprimorou este conceito acrescentando mais vilões nesse esquema de “copiar-colar”. Mas é inegável que em ambas as mídias, as cenas de batalhas são realmente incríveis.
Sonic e Shadow contra o exército de Neo Metal Sonics

7 - Sonic se foi!


É meio difícil “se livrar” de um protagonista tão querido (ainda mais quando a própria franquia leva o seu nome), mas tanto Sonic Forces quanto os quadrinhos proporcionam o “choque” de achar que o personagem mais amado de toda a série havia realmente partido. Talvez em Forces isso não tenha causado um impacto tão grande, ainda mais quando a história apresentou o desaparecimento do herói logo de início, e todos já sabiam que jogaríamos na pele de Sonic. Mas ainda sim a história soube proporcionar a falta que realmente faz o ouriço velocista para o planeta, algo bem explorado na feição de seus amigos após sua partida e do próprio mundo que entrou em colapso por causa disso.

Infinite toca o terror pelo mundo após o desaparecimento do herói

Houve duas ocasiões nas HQs em que o mundo teve de lidar com seus males na ausência de Sonic. A primeira delas se sucede na 10ª temporada dos quadrinhos: ao final da edição comemorativa Sonic the Hedgehog #125 (considerada uma das melhores entre os fãs), Sonic se sacrifica usando sua velocidade hipersônica para evitar que o planeta seja dizimado pela raça alienígena Xordas, onde ele acaba sendo arremessado para o espaço e, consequentemente, é tido como morto por todos. Justamente nesta nova etapa das HQs, acompanhamos a jornada do ouriço retornando ao seu mundo, e ao chegar lá vê o quanto tudo mudou no longo período que esteve fora, incluindo o domínio de Eggman que havia se estendido ainda mais.

Mesmo não tendo de fato morrido, a falta de Sonic atingiu toda a Móbius

A outra ocasião ocorreu na saga Mobius, 25 anos depois, um futuro alternativo do ouriço e seus amigos, após a derrota definitiva de Eggman, onde devido a um acidente com uma máquina espaço-temporal, a existência de Sonic é quase completamente apagada, causando mudanças drásticas em toda a história de sua timeline. Durante este período, Shadow “retorna dos mortos” e passa a comandar o mundo como um tirano, o qual só poderá ser detido caso o herói velocista retorne.

6 - Herói derrotado


Continuando a falar de Sonic, seu desaparecimento em Forces é uma das consequências de sua derrota. Ver o azulão levar uma surra vez ou outra em brigas é algo bem comum, tanto nos jogos quanto nos quadrinhos (como diz o velho ditado, “Quem tá na chuva tem que se molhar”), mas contemplar o ouriço totalmente derrubado após uma dura batalha é algo extremamente raro. Sonic pode passar pelo maior dos apertos, mas sabemos que ele sempre obtém a vitória no final de suas lutas, foi assim em seus combates contra Eggman, Knuckles, Metal Sonic, Shadow e vários outros. Porém em Sonic Forces ele realmente encontrou um adversário tenebroso; Infinite acaba com Sonic em seu primeiro confronto de forma impactante, fazendo o ouriço ficar em um estado semi-morto. Nunca uma surra foi tão agravante ao ponto de deixar o azulão completamente inativo e quebrado.

Logo de início, Sonic toma a maior surra de Infinite

Semelhantemente nos quadrinhos, há um arco em que Eggman consegue executar um ataque surpresa em Knothole, cidade natal de Sonic e seus amigos. Controlando Egg Beater, o mecha mais poderoso que ele já havia construído até então, o cientista dá uma verdadeira surra no ouriço após dizimar toda a cidade e dar cabo de seus habitantes. Sonic chega a lutar com boa parte as suas forças contra o doutor em sua nova arma, mas de nada adianta, e pra piorar Eggman destrói até o espírito de luta do ouriço, deixando-o quase morto entre os destroços após sua humilhante derrota, tanto física quanto psicológica. Sem dúvida o início de Sonic Forces e esta edição do triunfo de Eggman tem uma semelhança enorme.

Eggman após derrotar Sonic da forma mais humilhante possivel

5 - Uma zona bizarra e tenebrosa


Sonic Mania (Multi) pode ter introduzido a ideia da “dimensão nula” acessado a partir do Phantom Ruby, mas é em Sonic Forces que temos mais informações e uma presença sólida do que seria esta zona estranha. Null Space é uma dimensão obscura perdida no espaço-tempo, onde tudo o que nele adentra nunca retorna ao seu lugar de origem, passando a vagar por lá pelo resto de sua existência.

Null Space, uma dimensão sinistra

Bem semelhante a este esquema, temos nos quadrinhos a Zone of Silence (Zona do Silêncio), também conhecida como Special Zone, onde todos que a adentram estão confinados a permanecerem lá por toda a eternidade. No entanto, ambas as dimensões têm pontos de escape, permitindo uma chance mínima para qualquer um que adentre possa fugir de lá. No caso do Null Space é necessário utilizar uma velocidade absurda ao ponto de criar um vórtex que o expulse desta dimensão, enquanto que a Zone of Silence só pode ser deixada caso a pessoa utilize uma energia semelhante ao Chaos Control.

Nos quadrinhos, Zone of Silence cumpre bem o papel de "Universo da Anti-Matéria" 

4 - A Resistência


Sonic e os membros da Resisntência
Não houve um único fã que não assimilou a frase “Join the Resistance” com os Guerreiros da Liberdade da saudosa animação Sonic SatAM (exibida na TV aberta durante os anos 90 e 2000), o que inclusive foi a base para os quadrinhos do azulão. A ideia de canonizar a equipe de guerreiros formada por Sonic e seus amigos nos jogos já era um sonho de longa data para muitos. Em Sonic Forces, a equipe é chamada de Resistência, composta por Amy, Silver, Rouge, Espio, Vector e Charmy sob liderança de Knuckles que está recrutando mais membros para o time, sendo que mais adiante Sonic, o Avatar, Tails, Sonic Clássico, Shadow e Ômega se juntam ao grupo a fim de fortalecê-lo.

Os Freedom Fighters
Já nos quadrinhos, o time de heróis é chamada de Freedom Fighters (Lutadores da Liberdade) sendo composta por Sonic, Tails, Rotor, Bunnie e Antoine que são liderados pela Princesa Sally, a fim de protegerem Knothole e recuperar Mobotropolis do domínio de Robotnik. Ao decorrer da série, vários outros personagens fizeram parte da equipe, como Amy, Dulce, Mina, Knuckles, Cream e até o Big. Também houve grupos de vilões como a Dark Legion, composta por ancestrais de Knuckles liderada por Eggman, muito parecido com o conceito dos clones fantasmas que é praticamente o exército do cientista no Forces, e também a versão oposta do grupo dos mocinhos vinda de outro universo: o Suppression Squad (também chamados de Anti-Freedom Fighters).


3 - Knuckles, um líder nato


Por falar em Knuckles, tamanha foi a surpresa de muitos ao saber que ele é quem iria liderar o grupo dos heróis na batalha contra Eggman. Certamente uma boa parte dos fãs achou essa decisão da Sonic Team meio sem nexo, talvez por assimilarem que o personagem sempre foi muito bruto e “cabeça-quente” pra tomar o comando de uma equipe (sem falar daqueles que achavam que Knuckles era um completo idiota tomando como base a personalidade dele no universo de Sonic Boom (Wii U/3DS)). Mas quem verdadeiramente conhece o personagem sabe o quanto o equidna tem mais do que capacidade para ser a escolha perfeita como líder da Resistência; Knuckles está sempre apoiando o time, tomando a frente nas lutas e sendo cauteloso mesmo nas ocasiões mais difíceis.

Knuckles liderando a Resisntência

Para quem acompanhou o andamento do personagem nos quadrinhos, vê o seu posicionamento como líder é uma das referências mais bem executadas entre os jogos e o universo das HQs. Knuckles foi um dos personagens mais bem construídos durante todo o desenvolvimento da série, tendo uma história muito bem explorada e sem mencionar que ainda protagonizou uma série a parte que levou seu próprio nome. Nela, o marrento amigo/rival de Sonic lidera o time dos Chaotix, composto por Espio, Vector, Mighty, Charmy, Ray e Julie-Su, e está sempre contando com o grupo para enfrentar os desafios e inimigos que surgem em sua jornada, chegando inclusive a tomar a frente dos próprios Freedom Fighters em algumas ocasiões. É fato comprovado: Knuckles é um verdadeiro líder de respeito.

Nos quadrinhos, o equidna está sempre a frente do grupo dos Chaotix

2 - Reescrevendo a realidade


Tanto em Sonic Forces quanto nos quadrinhos da Archie Comic, nos deparamos com um momento crucial para Eggman obter a sua tão desejada conquista total, sem falar que pode ser considerado um dos melhores planos do cientista até então: dizimar a realidade existente e reescrever uma nova sobreposta à antiga. No jogo, o vilão busca realizar esta façanha com o poder da Phantom Ruby, capaz de criar ilusões de uma forma tão precisa que pode até mesmo alterar a realidade, além de fazer o seu usuário e pessoas afetadas por ela transitarem pelo tempo-espaço ou até modificá-lo ao seu querer. Em seu plano final, Eggman faz com que Infinite utilizando o poder da Phantom Ruby crie um enorme sol para dizimar os heróis juntamente com todo o exército da Resistência.

Infinite se prepara para dizimar toda a vida do planeta

Nos quadrinhos houve a existência de uma energia incrivelmente absurda chamada Genesis Wave (Onda Gênesis), a qual era capaz de reescrever uma timeline por completo a depender da quantidade de Esmeraldas do Caos que eram utilizadas para realizá-la. Nas HQs Eggman se dá conta que nunca poderá vencer Sonic em uma batalha, já que todas as forças cósmicas que regem o universo sempre estariam a favor do ouriço, e para provocar uma mudança drástica nisso, a única maneira do cientista derrotá-lo era reescrevendo toda a realidade ao seu próprio querer. Assim ele cria uma máquina que, a partir do uso das Esmeraldas do Caos, poderia criar uma nova realidade anulando a anterior. Esse poder chegou a ser utilizado três vezes na série, sendo a terceira responsável pela fase do reboot nos quadrinhos.

Genesis Wave reescrevento todo o universo de Sonic

1 - Juntos iremos vencer!


Sendo bem franco, o final de Sonic Forces não é muito inovador, chegando a ser bem previsível, já que a ideia de “a união faz a força” é algo que lembra bastante Sonic Heroes e até os finais de Sonic Adventure 2 (Multi) e Sonic the Hedgehog (PS3/X360) trabalharam muito bem este conceito. No entanto é inegável que, por mais clichê que pareça, este é um dos momentos mais aguardados em qualquer jogo de Sonic (ouso inclusive dizer que é o mais empolgante para qualquer jogador). Ver Sonic, sua versão clássica e nosso Avatar juntos na luta contra o Chefão Final traz à tona a importância do trabalho em equipe, mostrando que até mesmo nosso protagonista espinhoso vez ou outra precisa de “uma mãozinha”.

Vai dizer que isso não te lembrou Sonic Heroes?

O mais interessante é que nos quadrinhos a ideia do trabalho em grupo é algo bastante comum, não apenas em grandes batalhas mas também em outros diversos momentos, reforçando que por mais que o foco sejam as lutas entre Sonic e Eggman, nosso ouriço precisa de seus amigos para obter a vitória sobre este e outros vilões. Um dos casos que melhor apresenta isso é o arco O Império de Eggman, onde após uma derrota humilhante, Sonic resolve contar com o reforço dos Freedom Fighters em sua luta contra o tirano doutor, além de apresentar cada um dos componentes da equipe sendo fundamentais para a derrota do cientista. Mostrar que até mesmo o herói principal precisa de seus aliados para alcançar suas vitórias com certeza foi uma ligação e tanta com as HQs.

Freedom Fighters unidos em uma luta contra o tirano doutor

Menção Honrosa: Mudança de protagonismo


Apesar de Sonic, em grande parte das vezes, especialmente em Forces, ser retratado como um herói messiânico e “o grande salvador de todos”, é fácil perceber quando um de seus jogos volta a atenção para um outro personagem: em Sonic Adventure 2, por exemplo, a história é bem mais centrado em Shadow, assim como em Sonic Battle (GBA) é Emerl quem recebe o foco. Em Sonic Forces é possível perceber que o principal personagem não é necessariamente Sonic, e muito menos a sua versão clássica, mas sim o Avatar que criamos, tanto é que, mesmo sendo retratado como alguém inicialmente covarde e que vai amadurecendo ao decorrer da história, ele por duas vezes salva a vida de Sonic e até chega a ajudá-lo em certas batalhas nas fases do Tag Mode.

O personagem customizado não apareceu centralizado nos trailers a toa

A mudança de protagonista nos quadrinhos da Archie Comic é algo que ocorre com variada sequência, tanto que após a finalização da série do Knuckles os desenvolvedores criaram uma nova revista paralela a série Sonic the Hedgehog chamada Sonic Universe. Nela é retratadas pequenas aventuras de amigos, rivais e inimigos de Sonic as quais ocorrem durante as histórias principais focadas no azulão. Entre alguns personagens que protagonizaram essa série estão Shadow, Silver, Amy, os Babylons Rogues e o próprio Dr. Eggman. Mesmo Sonic sendo o mais querido da galera, é bom vez ou outra ver um novo personagem ganhando uma atenção maior em alguma história.

Revisão: Diogo Mendes
Áquila Braga escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook