Blast Test

Star Wars Battlefront 2 (Multi) — uma pequena demonstração da Força

Continuação do game homônimo de 2015 mostra potencial e pode ser a redenção da DICE com a franquia Star Wars.


A Electronic Arts disponibilizou uma versão de testes beta de Star Wars Battlefront 2 (Multi) aberta a todos os jogadores entre os dias 6 e 11 de outubro, como uma oportunidade de experimentarmos os modos multiplayer Galactic Battle, Starfighter Assault e Strike, bem como o modo Battle Scenario para um jogador ou dois jogadores em tela dividida.

Batalhas Galácticas

Strike é a modalidade mais simples oferecida nesta versão beta. Rebeldes enfrentam a Primeira Ordem em Takodana, no castelo de Maz Kanata. O objetivo dos Rebeldes é defender um artefato, impedindo que as forças da Primeira Ordem o roubem. Os conflitos são puramente de infantaria, sem presença de nenhum tipo de veículo e ocorre em áreas menores.

O modo Galactic Battle é talvez a melhor experiência da versão beta. Ele oferece uma partida entre 40 jogadores, recriando a batalha entre os Separatistas e a República Galáctica em Theed, capital do planeta Naboo. O objetivo dos dróides separatistas é invadir o Palácio Real, enquanto os clones da república devem repelir e defender a ofensiva separatista.



A jogabilidade é bastante focada nas novas classes de Trooper estabelecidas: Assalto, Pesado, Oficial e Especialista. Cada classe possui seus próprios atributos e habilidades especiais. A classe Oficial, por exemplo, é a que possui o menor HP e habilidades de fortalecimento de grupos que se mantenham perto dela; já a Trooper Pesado possui o maior HP e habilidades de contenção e supressão de inimigo, perfeitas para fortalecer a defesa de um objetivo. Ter a divisão de classes e habilidades específicas a elas faz com que os jogadores adotem estratégias diferentes para cada situação, adequando sua classe e as habilidades de acordo com o objetivo a ser alcançado.

Temos a presença dos Star Cards novamente, divididos em duas categorias: melhorias e alteração de habilidade. Cada soldado pode carregar até três. Cards de melhorias aumentam a eficiência das habilidades pré-estabelecidas da classe, enquanto os que alteram habilidades substituem uma das duas habilidades base. Na beta tivemos um pequeno gostinho dos Star Cards disponíveis, mas é um sistema interessante e que dá maior liberdade para que o jogador possa montar seu soldado de acordo com seu estilo de jogo. Aliando às características únicas de cada classe, os Star Cards conferem um nível estratégico mais refinado às partidas.

Para conseguir os cards devemos abrir as famosas Loot Crates. Ao subir de nível e cumprir certos desafios nas partidas, ganhamos caixas de itens e dinheiro para comprá-las. Cada caixa possui três itens, podendo ser meramente cosméticos, ou mesmo armas, modificadores de armas e Star Cards. Apesar de eu considerar um bom sistema, capaz de trazer o jogador de volta para jogar mais e conseguir os itens que lhe faltam, fica a ressalva para a facilidade com que jogadores adquirir os melhores ao desembolsar dinheiro real para comprar caixas em maior quantia e em menor tempo. Pode acabar trazendo um desequilíbrio para as partidas, principalmente sabendo que os Star Cards possuem versões mais poderosas.

Explosões no espaço

O modo Starfighter Assault coloca a Aliança Rebelde contra o Império. O objetivo dos Rebeldes é atacar uma base imperial, enquanto as tropas do Império devem defender sua base até a chegada de uma Star Destroyer. Aqui os combates são todos em naves espaciais, divididas em 3 classes: Fighter, Interceptor e Bomber, cada uma contando com habilidades e propósitos únicos. Naves de classe Fighter são rápidas e possuem dano moderado; a Bomber é ideal para disparar com armas pesadas e destruir os objetivos, enquanto que a Interceptor fornece suporte destruindo outras naves inimigas.

Uma das novidades no controle das naves é que agora cabe ao jogador realizar todas as manobras. Não há nenhum movimento alocado em um botão, e todas as curvas e manuseios devem ser feitos pelo jogador de forma manual, o que pode ser extremamente difícil no começo, mas recompensador ao ser dominado. Não basta apenas querer jogar como um TIE Fighter, é preciso dedicar e praticar para ser eficiente nos combates.



A grande área aberta se mistura com regiões interiores da base imperial. Ficar em área aberta garante maior espaço para manobras, mas também o torna um alvo fácil de torpedos inimigos; espaços mais fechados oferecem poucas opções de manobras, porém possuem excelentes coberturas e são ótimas rotas de fuga. Não é incomum adentrar o corredor estreito dos geradores da base sendo perseguido e ouvir o caça inimigo explodindo logo atrás por um erro de seu piloto. A sensação é de que somos, de fato, ases espaciais.

Personagens icônicos

Em Star Wars Battlefront (Multi) tínhamos um sistema injusto para selecionar unidades especiais e personagens icônicos do universo de Star Wars. Fichas ficavam espalhadas por todo o mapa e quem as coletasse primeiro poderia usar o seu benefício. No fim das contas tínhamos uma dúzia de jogadores sem prestar atenção nos objetivos apenas porque queriam pegar a ficha para utilizar Luke Skywalker ou Darth Vader.



Em Battlefront 2 o sistema de fichas dá lugar ao sistema de Battle Points — BP. Todas as ações realizadas dentro de uma partida concedem uma certa quantia de BP, e estes são usados para comprar um renascimento como uma unidade especial. É possível selecionar Jet Troopers, tanques AAT, tanques bípedes AT-RT, assim como personagens icônicos da franquia como Rey, Darth Maul e Han Solo. Cada unidade especial custa uma quantia determinada de BP, com os personagens mais poderosos custando o maior valor de 5.000 BP. Desta forma, aqueles que se saírem bem durante as partidas sempre terão a chance de assumir o papel de um Jedi ou Sith, e não dependerão apenas da própria sorte de encontrar uma ficha pelo cenário. É uma maneira de recompensar o trabalho duro e bem feito dos jogadores.

Multiplayer de sofá

Nem somente de modos online sobrevive Battlefront 2, e neste teste beta temos disponível a modalidade Arcade, e sob ela o modo Battle Scenarios, que consiste em pequenas missões feitas para serem jogadas solo ou na companhia de um amigo em tela dividida. Há duas missões disponíveis: Wipe them out, em que assumimos o papel de Darth Maul e devemos derrotar um determinado número de clones da República no menor tempo possível; e Roger, Roger, em que utilizamos um dróide imperial para derrotar os clones da República. São pequenas missões que servem principalmente como campo de treinamento para se acostumar com os controles do game, características das classes e habilidades únicas que cada uma possui.

A promessa é de que teremos missões voltadas para os Jedi e para os Sith, com grande variedade de objetivos e podendo ser jogadas com um amigo em tela dividida. Tudo isso pode levar a uma sobrevida estendida para o game, principalmente ao proporcionar um multiplayer local, seja ele competitivo ou cooperativo. Ótima oportunidade para tirar sarro do amigo que errou todos os tiros de blaster como um legítimo Stormtrooper.



Star Wars Battlefront 2 tem todos os ingredientes para se tornar um grande game. Sua jogabilidade é muito divertida, com tiroteios e explosões para todo lado, fortalecidos por uma qualidade de áudio impecável, o que faz com que imaginemos estar em uma guerra de verdade. Espera-se que o jogo final possua uma gama de conteúdo ampla e que dê motivos para o jogador retornar aos cenários e conflitos oferecidos. Sabemos que todas as DLCs de mapas, modos e personagens serão gratuitas, algo que por si só torna o game atrativo. O sistema de evolução de classes e habilidades com Star Cards funciona, mas estar ligado diretamente com Loot Crates faz com que tenhamos um mínimo de ressalva com relação à competitividade que o jogo irá proporcionar. Seja como for, saímos desta versão beta com um gostinho de quero mais, e com a sensação de que Star Wars Battlefront 2 não é apenas um produto para fãs, mas também para aqueles que apreciam bons jogos de tiro.

Revisão: Diogo Mendes


Francisco Camilo é formado em Serviço Social pela PUC-MG e até hoje não entende a verdadeira razão de ter feito tal curso. Apaixonado pelo mundo dos jogos eletrônicos, tem em sua mente um futuro ideal cuja existência é incerta e o leva a questionar se o que imagina é parte de um sonho ou ilusão. Pode ser encontrado aqui principalmente em análises e buscando troféus na PlayStation Network.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook