BioShock, dez anos entre Rapture e Columbia

Distopia steampunk da 2K completa uma década de lançamento.

Há dez anos, no dia 21 de agosto de 2007, era lançado o icônico jogo de tiro em primeira pessoa BioShock (Multi), da 2K. Distopia steampunk ambientada em 1960, o game é aclamado pela crítica especializada e pelos fãs como um dos melhores jogos de todos os tempos por sua narrativa única, baseada na filosofia do Objetivismo.

System Shock, do cyberpunk ao steampunk

Criado pelo game designer estadunidense Ken Levine, BioShock é considerado o sucessor espiritual de System Shock (PC), da Looking Glass Technologies e lançado em 1994. O cyberpunk de tiro em primeira pessoa que se passava em 2072 teve a participação de Levine e outros membros da Irrational Games — presentes também na atual 2K Boston — em sua produção.


System Shock narra a história de um hacker anônimo que luta para derrotar a malévola inteligência artificial SHODAN. O jogo se passa em Citadel Station, estação espacial de 2072. Após o hacker ser pego acessando arquivos confidenciais, um executivo da TriOptimum Corporation oferece ao protagonista a chance de ter as acusações retiradas se ajudá-lo a hackear SHODAN. Criado por Doug Church e Warren Spector, o jogo também inspirou Deus Ex (PC/PS2), da Ion Storm, igualmente dirigido por Spector.

A trama sobre um futuro distópico dominado por uma inteligência artificial e com reviravoltas na história baseou o conceito central do que mais tarde se tornaria BioShock. Ao contrário do original, BioShock foi ambientado dentro do gênero steampunk e com fortes influências de biopunk, gênero caracterizado pelo foco em mudar o corpo humano através da genética artificial.


O objetivismo de Andrew Ryan

O Objetivismo é uma corrente filosófica criada pela autora e filósofa russa-americana Ayn Rand. O conceito é a base de crenças de Andrew Ryan, o magnata fundador de Rapture. Segundo o Objetivismo, a realidade existe independente dos sentimentos do ser humano e que a razão é o único modo de perceber essa realidade. Assim, a razão é o único conhecimento válido, na qual toda pessoa deve existir em função de seus próprios propósitos.

A premissa objetivista é o embasamento da criação de Rapture, cujo propósito é justamente libertar os seres humanos dos limites morais, estéticos e tecnológicos da sociedade. O ideal de Andrew Ryan era levar a humanidade a uma nova fase, sem limites ou fronteiras. Inclusive, o personagem Atlas é baseado em um dos livros principais de Ayn Rand, intitulado A Revolta de Atlas, de 1957.


Literatura e trilogia

BioShock teve ainda mais duas sequências, BioShock 2 (Multi) em 2010 e BioShock Infinite (Multi), de 2013. O segundo título retorna a cidade aquática de Rapture, enquanto o terceiro e último game é localizado em Columbia, cidade flutuante de 1912 criada pelo profeta autoproclamado Zachary Hale Comstock. Diferentemente dos dois primeiros jogos, BioShock Infinite segue a doutrina do Excepcionalismo Americano, cujo ideal é de que o EUA é um país diferente de todos e seu destino é mudar o mundo.

Além da trilogia de jogos, BioShock também possui uma versão em livro, intitulado Bioshock: Rapture (John Shirley, 2011). A obra literária é um prequel aos jogos e mostra o processo de elaboração de construção de Rapture por Andrew Ryan. A distopia retrofuturista também teve um filme anunciado pelas produtoras cinematográficas Take Two e Universal Studios em 2008, mas infelizmente o projeto foi cancelado em 2013.


Nestes dez anos, BioShock se tornou referência quando o assunto é distopia, bem como símbolo de uma jogabiliade atrelada a uma história intrigante, provocativa e questionadora da sociedade. O game serviu e serve de inspiração para diversos ramos da indústria de entretenimento — cinema, televisão, literatura, entre outros —, e sem dúvida continuará contribuindo como inspiração para boas histórias e bons jogos.

Revisão: Vitor Tibério
Karen K. Kremer é mestre jedi em história pela UEPG e game designer pela Universidade Positivo. Viajante do tempo e cinéfila, considera Quantum Break uma obra-prima. Cresceu fazendo Meteoro de Pégasos e jogando videogame. Apaixonada por literatura, ilustração e dinossauros. Diz a lenda que com um bat-sinal no Twitter ou DeviantArt ela aparece.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook