League of Legends (PC): Como as mudanças da pré-temporada afetam o estilo de jogo

Mudanças nos assassinos, Jungle e em alguns itens de suporte podem aumentar o leque de escolhas e de jogadas no mapa.

Como em todo final de ano, a pré-temporada é introduzida em League of Legends e, como de costume, várias mudanças dentro de jogo são implantadas, podendo ou não ter impacto no metagame (escolhas mais significativas e contestadas).


A mais impactante das mudanças e também a mais aguardada foi o rework dos assassinos. Mudando quase todo o kit de habilidades, as alterações prometidas finalmente estão disponíveis para os jogadores usarem. Levando para o lado do competitivo, é bem improvável que assassinos do mid apareçam, já que Syndra, Viktor, Ryze e Orianna continuam com uma dominância enorme e exercendo papéis insubstituíveis Mas, por outro lado, pode até ser que apareçam na jungle.

Tendo seu kit quase completamente alterado, o Rengar agora apresenta um dano ainda mais insano e que pode até eliminar seus inimigos em menos de segundos. Kha’zix, um dos beneficiados da retirada da “pink” (sentinela rosa que revelava alvos invisíveis) agora consegue usar sua habilidade Q – Sabor do Medo mais frequentemente em alvos isolados (mecânica do personagem que o beneficia em duelos contra alvos isolados, com nenhuma tropa nem companheiro de time próximos). Por fim, Shaco também apareceu com mudanças como a aparição de um triângulo de caixinhas surpresas (sua habilidade W) após a explosão do clone invocado em seu ultimate.
Na foto, Rengar, um dos assassinos que teve seu kit quase totalmente alterado.

Quase nenhum campeonato foi feito no patch com todas as mudanças da pré-temporada, com isso, é difícil saber o que está forte em cada rota em uma visão competitiva, entretanto, nas filas ranqueadas casuais os dados são impressionantes. Como foram lançados recentemente, nem todas as pessoas conseguem dominar o novo kit dos personagens e, consequentemente, ganham menos jogos.

Na rota do meio, Ekko, personagem que não teve muitas mudanças significativas (sua passiva não causa mais lentidão, mas sua ultimate ativa seu W enquanto ele volta no tempo) lidera na porcentagem, tendo 51.98%, muito à frente dos personagens assassinos a qual ele faz parte.  A seguir, mas muito longe, LeBlanc aparece com 48.98% de vitória, porcentagem ruim para um mid laner. Junto de LeBlanc, Fizz (48.38%), Zed (47.31%), Talon (45.11%), Katarina (43.01) e por último, Akali com (41.75%). Os dados mostram que o assassino que está se saindo melhor é o Ekko, já que uma porcentagem abaixo de 50% é preocupante, mas isso não significa que as mudanças foram ruins.
Arte do personagem Ekko, que está liderando entre os assassinos em porcentagem de vitória.

Na
jungle, Shaco lidera com 51.8%, mas diferente do mid onde só um personagem estava acima dos 50, Kha’zix mostra que na Jungle a situação está melhor com seus 50.04%. Rengar amarga a última posição entre seus dois amigos, tendo 47.32%. Por outro lado, alguns personagens acabaram se beneficiando por outras mudanças. Ivern, último campeão lançado, não acabou se beneficiando pela alteração realizada nos assassinos, mas por outras mudanças nos talentos e na Jungle.

Todos os buffs ganhos ao utilizar o smite em  um dado número de monstros foram removidos e agora cada monstro “smitado” cura o personagem em um certo valor. Frutas ao redor do mapa foram espalhadas, concedendo visão (Florividente), vida e mana (Frutomel) e por último, uma fruta que quando atacada explode e empurra quem estiver próximo a ela (Pinstouro). Alguns campos foram modificados, sendo eles:

Red e Blue: Os minions menores foram removidos e eles aumentaram de tamanho.

Acuâminas: Mais “pombos” foram adicionados. É recomendado não fazer no início do jogo, já que eles causam muito dano e podem te matar fácil.

Grompe: Ele já fica furioso no começo de combate, variando de ataque.

Krugues (Golens): Se dividem em monstros cada vez menores.
Alguns dos monstros da Jungle, local com grande mudança nessa pré-temporada.

Com todas essas mudanças e a remoção do Força das Eras (talento que fornecia até 300 de vida bônus com base nos monstros da
jungle eliminados), a adição da Coragem do Colosso (a cada controle de grupo usado em um inimigo, um escudo é ganho) e outras mudanças em outras árvores nos talentos, junglers tank com CC (Crowd control/ controle de grupo) serão bastante utilizados, e é aí que o Ivern se encaixa.

Com o aumento de monstros da Jungle, escudo a cada controle de grupo (stun no Q e levantamento nos básicos do monstro invocado em seu ultimate) e a masterie “Dom do pai do verde” (ao entrar em um arbusto o próximo ataque básico/habilidade causa 3% de vida do alvo como dano Mágico bônus), localizada na árvore do meio, astúcia, encaixam perfeitamente no personagem, o tornando um monstro no jogo e com uma porcentagem muito significativa de 54.88%.

Com a adição da Coragem do Colosso e outras mudanças na árvore de determinação dos talentos, os tanks que possuem algum tipo de CC podem retornar com uma grande força, tanto no top como na jungle e suporte. Exemplo disso é a Poppy (já era utilizada no mundial e em patchs passados), Nautilus, Singed e até o próprio Rammus. Alistar, também beneficiado pelo talento, é um suporte que está em um estado muito difícil de se lidar no jogo, já que com a mudança em seu kit, adicionando um stun e movendo a cura para a passiva, a Coragem do Colosso fortalece ainda mais e torna sua escolha uma prioridade em grande parte dos casos.
Talentos atualizados para a temporada de 2017.

Além de todas as mudanças e com um grande fortalecimento dos
tanks, o item Espada do Rei Destruído, que causa dano baseado na vida, foi melhorado e, com isso, bruisers como Jax e Irelia podem aparecer mais. Até mesmo a Vayne, atiradora muito utilizada em ranqueadas casuais, pode ser uma boa resposta para isso, já que a invisibilidade de sua ultimate foi beneficiada. E com sua habilidade que causa dano por vida (W- Dardos de prata, a cada três básicos as marcas estouram causando dano real baseado na vida) e seu item principal melhorado, a Espada do Rei Destruído, Vayne consegue destruir um personagem linha de frente.

As mudanças da pré-temporada foram poucas, mas conseguiram trazer uma grande variedade. Caso um assassino seja utilizado, um tank será considerado uma boa resposta e em consequência para responder à ele, alguns atirados que utilizam o Rei Destruído, com foco total na Vayne, podem aparecer. Todos os estilos que a empresa beneficiou com as mudanças se configuram como boas escolhas contra os outros. A temporada ainda não acabou e como já anunciado pela Riot, as mudanças estão longe de acabar, já que ainda tem muita coisa que eles pretendem fazer para que em 2017 o jogo esteja com muitas mudanças significativas.

Fonte: Champion.gg
Revisão: Pedro Vicente
Edson Santos escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais