Blast Test

Outlast 2 (Multi), sangue e mistério estão de volta

Demo apresenta uma prévia da sequência do survival horror mais horripilante dos últimos tempos.

Quando o primeiro Outlast (Multi), da Red Barrels foi lançado em 2013, o jogo de survival horror tornou-se sucesso absoluto pelo retorno a uma narrativa que mesclava terror e sobrevivência. Ao deixar o tiroteio para trás e focar no suspense, o game da produtora indie canadense reviveu o gênero do survival horror levando os jogadores às origens do terror. Agora, a Red Barrels prepara o caminho para sua sequência, Outlast 2 (Multi), que foi anunciado para 2017, e enquanto a data não é definida, uma demo do que vem por aí se encontra disponível.


Em Outlast 2 você jogará com novos protagonistas, a dupla de repórteres investigativos Blake Langermann e Lynn, que investigam as circunstâncias aparentemente impossíveis do assassinato de uma mulher grávida chamada Jane Doe. Após um acidente de helicóptero, Blake e Lynn se separam e precisam encontrar um ao outro no meio de uma vila abandonada no deserto do Arizona, nos EUA. Na demo do jogo em primeira pessoa você é Blake Langermann, cuja missão é sair vivo dessa vila fantasma e reencontrar ou salvar sua colega, Lynn.


A demo de Outlast 2 começa com o acidente aéreo sob causas anormais e você é posto na pele do câmera Blake, que após cair de um barranco se vê na vila abandonada em busca de ajuda. Os gráficos estão bonitos e horripilantes. Caminhar pela vila fantasma é assustador e encantador ao mesmo tempo. O aspecto de local abandonado, sujo e inabitado está presente durante todo o gameplay. As texturas de ferrugem, madeira podre, sujeira e sangue captam a mensagem que o ambiente quer transmitir e o jogador tem a sensação de estar absolutamente sozinho naquele lugar macabro.

Porém, não demora muito para você perceber que a vila abandonada, não está tão abandonada assim. Em meio às sombras dos cercados que rodeiam as propriedades é possível ver figuras humanas sinistras lhe observando. Novamente, a câmera é sua melhor amiga e sem ela você fica impossibilitado de enxergar lugares e pessoas, então é importante vasculhar o cenário em busca de pilhas para mantê-la funcionando.


Esse aspecto da câmera como sua arma retorna com força em Outlast 2 e nessa demo você tem um gostinho de como é jogar em tais situações. A forma de jogo ligada a fuga dos inimigos e observação através da câmera foi a principal característica de Outlast e nesta sequência a Red Barrels manteve a mecânica e a uniu a uma nova história de terror. Uma receita que deu muito certo e que contempla a sensação de terror e claustrofobia transmitida pela trama.

As aparições de figuras humanas são aterrorizantes e sinistras. Num cenário que privilegia o vazio e o sentimento de solidão, você se depara com homens quase cadavéricos em roupas rasgadas e sujas lhe observando ao longe, vultos que passam rapidamente, corvos que quase lhe matam do coração ao saírem voando de uma janela e gritos de socorro distantes. O medo lhe acompanha todo o caminho e o terror vem de cômodos e lugares ensanguentados, com corpos de pessoas e animais mutilados. É de embrulhar o estômago e sair gritando por ajuda.


Esta demonstração de Outlast 2 serve essencialmente para apresentá-lo a nova história e aos novos personagens. Ao se deparar com casebres acompanhados de retratos de figuras religiosas, marcas de seitas escritas em paredes e locais de rituais satânicos, você tem uma ideia do que o enredo o jogo irá lhe trazer: a religião levada ao fanatismo e a violência. Os membros da seita caminham entre o milharal recitando versículos bíblicos enquanto caçam você, panfletos de uma escola religiosa são encontradas numa sala de aula e outras referências à religião trazem o elemento com força e mostra o lado negro da fé cega.

O terror psicológico também está de volta. Alucinações e vozes aparecem e se comunicam com você em cenários assustadores unidos a poltergeists. Móveis de cômodos movem-se sozinhos, portas batem sem ninguém para mexê-las, objetos e seres aparecem e desaparecem no mesmo lugar. A impressão é de estar enlouquecendo com os acontecimentos ao seu redor, onde ilusão e realidade se misturam, deixando o protagonista sem entender o rumo que as coisas estão tomando.


Como diz o ditado "em time que está ganhando, não se mexe" e a Red Barrels seguiu essa linha de pensamento ao pé da letra. Na demo podemos perceber que Outlast 2 possui as mesmas mecânicas e modos de jogo de seu antecessor, contudo, algumas vezes não mexer no jogo é o jeito ideal de dar continuação a um game. A prévia mostra um prólogo bem arquitetado e inteligente para a história que se seguirá na versão completa. Outlast 2 promete ter tão assustador quanto seu primeiro título.

Revisão: Ana Krishna Peixoto
Karen K. Kremer é mestre jedi em história pela UEPG. Viajante do tempo e cinéfila, considera Quantum Break uma obra-prima. Cresceu fazendo Meteoro de Pégasos e jogando videogame. Apaixonada por literatura, ilustração e dinossauros. Diz a lenda que com um bat-sinal no DeviantArt., MGC. ou Twitter. ela aparece.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais