Jogamos

Análise: Seja o Aragami (Multi) e torne-se o mestre das sombras

Use a iluminação ao seu favor nesse fortemente estilizado jogo de furtividade.

Aragami é um daqueles jogos de desenvolvedoras independentes que você acaba pegando só para ver qual é, e acaba se surpreendendo. Suas mecânicas são um ode aos jogos de furtividade, como Tenchu (PS2) e Thief (Multi), e traz consigo uma profundidade bem impressionante para seu escopo, apesar de também apresentar algumas falhas ténicas.

Seja as sombras

O jogo gira em torno do Aragami, um espírito de vingança que pode manipular as sombras e se mesclar a elas como bem entender. Sendo invocado abruptamente por uma garota de cabelos prateados, o espírito se vê sem memórias e querendo descobrir mais de si mesmo, enquanto a menina pede para que ele a encontre e liberte, pois os Kaiho (soldados da luz que invadiram a terra) prenderam ela e a imperatriz.

Basicamente, a história é bem previsível e suas reviravoltas bem simples, só que a cereja do bolo está nos níveis e como você, o jogador, pode completá-los das mais diferentes maneiras. O Aragami possui várias habilidades, de Kunais (facas arremessáveis) a projeções e teleporte das sombras. Um verdadeiro ninja das trevas. Os níveis, feitos para serem enfrentados de várias maneiras, provam ser verdadeiras obras de paciência, e passá-los sem ser visto em momento algum traz um grande sentimento de vitória.



O Aragami também não apresenta barras de vida e toda as informações necessárias das suas habilidades são mostradas pela sua capa. Se uma kunai está equipada, será mostrado o símbolo na capa. Quantidade de energia de sombra? Na capa. Quantidade de usos de habilidades? Na capa também. A estilização do jogo impressiona bastante, e a tela não fica cheia de barras e números. Bem minimalista.

Há duas maneiras principais de enfrentar os desafios propostos: você pode sair matando todos os inimigos furtivamente (como Oni, demônio em japonês), ou simplesmente se esgueirando e não derrotando ninguém (como Kami, deus em japonês). Os dois modos possuem vantagens e problemas, já que muitas vezes os inimigos tem animações duras e cruas, e você pode não saber bem se eles vão te enxergar ou não em determinados momentos. Fiz boa parte dos níveis jogando das duas maneiras propostas e ambas são divertidas, além de desafiantes.


Vale dizer que o jogo vem todo dublado em japonês, o que é bem legal, dada a grande temática oriental que ele apresenta. Entretanto, apesar de todas as coisas boas que tenho a falar do jogo, tenho também que dizer que ele não é tão bem polido. Quero dizer, não é como se você fosse encontrar bugs e glitches o tempo todo, mas você encontrará alguns que podem impedir progresso ou estragar tudo o que você já fez no nível. Por exemplo, em uma parte, eu tive que recomeçar um dos últimos níveis (que tinha sido bem difícil) porque o item com o qual eu precisava interagir simplesmente não estava lá, impedindo meu progresso. Depois de reiniciar o nível, lá estava o item, que aparentemente antes não havia carregado.

Além disso, as animações dos personagens são um pouco duras e algumas vezes não dá para entender o campo de visão deles, justamente por você não ter uma boa ideia das expressões do inimigo, o que deixa as coisas um pouco esquisitas. Para se ter ideia, em um dos níveis, eu estava passando por alguns arqueiros (obviamente sem ser visto e de uma distância razoável), quando um deles, de costas, surpreende-me com uma flechada e simplesmente continua atirando. Foi bem bizarro. Outros problemas envolvem a iluminação, que vez ou outra faz com que você não consiga identificar se aquela área realmente tem uma sombra ou se é só uma parte iluminada levemente mais escura.



Veredito

Aragami é um jogo bem legal, de verdade. Se você gosta de jogos de furtividade que envolvam ninjas e coisas mais orientais, eu recomendo bastante. Espere alguns errinhos e problemas técnicos, mas nada que vá te aborrecer muito, além do preço que é bem amigável. Se você curtiu, minha dica é: vá jogando, e vá pela sombra.

Prós

- Estética oriental bem estilizada;
- Conjuntos de habilidades úteis e divertidas;
- Níveis desafiantes;
- Boa atmosfera.

Contras

- História pouco elaborada e previsível, diálogos simples;
- Bugs que impedem progresso.
Aragami — PC/PS4/XBO — Nota: 7.0
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Arthur Maia
Pedro Gusmão aprecia bons jogos independente de plataforma e gênero, mas tem um apreço especial por RPGs e jogos de estratégia. Aficionado por temas fantásticos, adora passar seu tempo livre escrevendo e enfrentando seres mitológicos em videogames.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais