Jogamos

Análise: World of Warcraft: Legion (PC) é um MMO que ainda impressiona

Bela e vasta, a nova expansão traz mudanças muito bem vindas ao já antigo MMO.


Depois de um mês de intensa jogatina da nova expansão Legion e tendo finalmente entrado no mundo de Azeroth, chegou a hora de tirar as conclusões. Vale mesmo a pena gastar tanto tempo neste imenso MMORPG da Blizzard?

Os céus arderão

A Legião Ardente, um gigante exército demoníaco formado pelas maiores ameaças do universo chega pela segunda vez ao mundo de Azeroth, tendo já destruído muitos outros mundos pelo caminho. Cabe agora à Aliança e Horda mais uma vez lutar pela sua própria sobrevivência contra um inimigo implacável.

Devo dizer que sou um saudosista das épocas de Warcraft 3 há muitos anos, e é impressionante ver como a nostalgia bate ao ver todos aqueles heróis de outrora na tela. Com uma certa expectativa sobre a história de WoW: Legion, montei no meu grifo e segui para as novas áreas de Azeroth para conhecer suas histórias e ver se elas realmente impressionam. O resultado, para a minha alegria, foi extremamente satisfatório.



Achei incrível como, para um MMO, suas missões são tão interessantes e com conjuntos de histórias que acabam culminando tão bem. Pense do seguinte modo: a história é separada em capítulos e cada um deles mostra como a invasão da Legião e a corrupção dos moradores das Ilhas Partidas estão prejudicando o equilíbrio, com pequenos “contos” que sempre te prendem de alguma forma. Isso sem falar de como são bem explicados os eventos anteriores à invasão, fazendo muitas referências e trazendo certa clareza a acontecimentos que se passaram na primeira guerra contra a Legião, dez mil anos atrás. Posso até dizer que o modo como tudo flui parece mais como um jogo “single player”.

Além de muito belo, o novo continente chamado Ilhas Partidas (Broken Isles) é bem diverso em termos visuais. Neste continente está Val’sharah, Trommheim, Azsuna, Alta Montanha e a belíssima cidade de Suramar. Todas elas apresentam elementos únicos e que as distinguem muito bem, por exemplo: uma possui enormes árvores com verdes muito fortes, outra já é extremamente vertical e com montanhas muito altas (adivinha qual é), e por aí vai. O design do novo continente é muito bom.

As novidades

Uma das novas adições ao jogo são os Caçadores de Demônios, os Illidari, treinados antes da queda do Templo Negro por ninguém mais, ninguém menos que Illidan Tempesfúria, o queridinho dos fãs e personagem pivotal da nova expansão. Essa nova classe é extremamente versátil e possui mobilidade inigualável. Podem abrir suas asas para planar e acessar mais facilmente outras partes do cenário. Seus dois modos são Devastação (dano), em que o Illidari se torna muito, mas muito móvel e Vingança (tanque), em que o personagem é capaz de mitigar e recuperar, deixando-os uma opção viável em qualquer um dos modos.

Outra novidade de Legion são as relíquias, armas de grande renome e importância mítica para a história de World of Warcraft, que agora podem ser utilizadas pelos jogadores. Por exemplo, sabe a Frostmourne, arma de Arthas Menethil? Seus estilhaços são usados para forjar armas para os cavaleiros da morte do tipo gelo. A Ashbringer (crematória) de Tirion Fordring pode ser utilizada por paladinos. A Doomhammer (Martelo da Perdição), arma clássica de Thrall, pode ser empunhada por xamãs. Essas relíquias evoluem conforme o jogador progride pelo jogo e as melhora com artefatos, encontrados em masmorras e raides. Deixando uma sensação de progressão muito forte, exigindo bastante dedicação para chegar aos níveis mais altos da relíquia.

Junto aos artefatos o jogador desbloqueia também o Salão da Ordem da classe do personagem, onde similar a Warlords of Draenor. Você pode mandar seguidores em missões disponíveis na sua mesa de comando (você agora é o herói da sua classe) e ganhar itens de todos os tipos, inclusive de melhorias para seus soldados. É uma mecânica bem divertida que adiciona mais uma camada de envolvimento com o jogo. Eu mesmo baixei o aplicativo da Blizzard para celulares apenas para gerenciar meus seguidores durante horários que estou fora de casa.



Raides e masmorras

Em Legion foram adicionadas mais dez masmorras e quatro dificuldades para elas: Normal, Heroico, Mítico e Mítico+. Essas masmorras compõem parte da história e algumas são liberadas apenas depois de completar certos requerimentos, como finalizar a história da região. Não fugindo muito do jeitão de masmorras, todas elas são bem divertidas e com toques visuais únicos e condizentes com a cultura de onde se encontram.

Minha única reclamação é ao modo Mítico+ das masmorras. Elas funcionam da seguinte maneira: uma vez por semana, ao completar uma masmorra mítica você ganhará uma pedra chave. Essa pedra por sua vez é numerada e você deve repetir a mesma masmorra mais vezes para aumentar seu número, sem falar que, quão maior o número, diferentes modificadores são colocados (tempo limite, chefes mais fortes, mais vida em inimigos). Isso significa repetir a mesma masmorra em uma forma mais difícil umas 15 vezes, o que torna a experiência muito entediante, pois toda semana você estará repetindo a mesma coisa várias e várias vezes.



Já a Raide disponível até o momento chama-se Pesadelo Esmeralda (Emerald Nightmare), e é algo que pede por cometimento e habilidade, além de um time composto por muitos jogadores. Depois da tarefa árdua de encontrar uma guilda que se encaixava aos meus parâmetros, parti para enfrentar Xavius e posso dizer com todas as palavras que esse tipo de conteúdo suga sua alma. É cansativo, difícil e muito longo. Claro, as recompensas são condizentes e o prazer de finalizá-la enquanto ainda é a coisa difícil do momento é ótima, mas suas taxações são inegáveis. O que não é coisa alheia aos jogadores mais fervorosos desse tipo de jogo.

Veredito

Para uma pessoa não muito acostumada aos MMORPGs, saí muito impressionado de World of Warcraft e recomendaria a qualquer um que tenha vontade de jogá-lo. A história é envolvente, os visuais das novas áreas são excelentes e os desafios são muitos. Para não falar da comunidade, que também é bem bacana. Imagino que um jogador veterano vá se sentir também muito representado pelo estado atual do jogo. Não posso dizer se a longo prazo isso continuará assim, mas meu primeiro mês em Azeroth me deixou muito satisfeito. Quem sabe eu não continue minhas aventuras?

Prós

  • Narrativa bem construída;
  • As Ilhas Partidas oferecem muita beleza e conteúdo;
  • Sistema de artefatos funciona muito bem;
  • Salão da Ordem é uma adição interessante;
  • Caçadores de Demônios.

Contras

  • Alguns sistemas muito repetitivos;
  • Quantidade de conteúdo de expansões anteriores pode assustar jogadores novos.
World of Warcraft: Legion — PC — Nota: 8.0

Revisão: Vitor Tibério

Pedro Gusmão aprecia bons jogos independente de plataforma e gênero, mas tem um apreço especial por RPGs e jogos de estratégia. Aficionado por temas fantásticos, adora passar seu tempo livre escrevendo e enfrentando seres mitológicos em videogames.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais