Hands-on

Naruto Online (PC): na busca pelo seu jeito ninja

Nova aposta da Bandai Namco leva os ninjas da folha para o mundo dos MMOs

No dia 02 de junho, a Bandai Namco lançou oficialmente Naruto Online, um RPG para browsers desenvolvido pela chinesa Oasis Games. Se diferenciando por ser um jogo oficial, o que poderíamos esperar dessa nova aposta com os ninjas da Vila da Folha?


A primeira coisa que você faz é escolher uma entre as cinco classes disponíveis. São personagens pré-definidos, sem a possibilidade de alteração de atributos físicos. Escolha feita, seu avatar será “inserido” na história original, como se você estivesse presente em todos os fatos importantes da série.

Uma vez dentro do jogo, não há muita enrolação. Você já recebe a primeira missão e, com poucos cliques, já está batalhando. Você pode até explorar outras areas, mas não vi necessidade nisso inicialmente. O ideal é seguir com a história, que é o meio mais prático para ganhar níveis no começo.

Quanta gente, quanta alegria
O combate de Naruto Online não tem nada de parecido com os jogos de consoles ou outros MMORPGS clássicos. As lutas se dão em turnos, em batalhas de grupos de até quatro personagens. Mas se você só cria um, de onde vem seus companheiros?

Os outros integrantes são os próprios personagens do anime, que podem ser recrutados de diversas formas. Alguns são ganhos como recompensa das missões, outros ao cumprir objetivos paralelos (entrar logar no jogo por sete dias seguidos, por exemplo). O leque de opções é grande, mas pelo que pude notar, completar essa lista vai exigir bastante dedicação do jogador — há personagens da fase clássica e da Shippuden. É um bom "meta game" para aqueles que gostam de colecionar coisas em jogos.

Aqui você arruma a formação do seu time
Algo que eu achei bem legal é a possibilidade de criar combos, se os personagens forem ordenados para atacar em uma sequencia específica. Explicando: Ao colocar na ordem de ações Naruto como primeiro e Sasuke em segundo, Sasuke dará um ataque extra na vez do ninja loiro, aumentando o dano. Além de talentos e equipamentos, essa mecânica é uma boa adição.

O ponto negativo é que as batalhas em si não são muito empolgantes, se tornando repetitivas após algum tempo. A troca de personagens ou busca por novos combos ameniza esse ponto, mas não é a salvação. É possível deixar os combates no modo automático, permitindo deixá-la de fundo enquanto você faz outra coisa — não esqueça que falamos de um jogo para browsers/Facebook.

Não deu nem pra esquentar
Visualmente o jogo é bem bonito, seguindo à risca o estilo do desenho. As animações, embora simples, são bem feitas. O que me incomodou mesmo foi a interface geral. São muitos botões, principalmente na parte superior da tela. Em janelas menores, esse problema fica um pouco mais acentuado, fato esse que me fez preferir jogar no site oficial do que no Facebook.

Em termos de localização, Naruto Online está totalmente em português. Entretanto, a tradução ainda dá umas derrapadas aqui e ali, com alguns erros de concordâncias estranhas, ou mesmo de grafia das palavras. Também tive  aquela sensação de “Google Tradutor” em algumas passagens. Não é nada que comprometa o jogo, mas um cuidado maior nessa parte seria interessante.

Kakashi, você está bem? Está falando meio estranho...
Um outro quesito que mereceria uma maior atenção é o site do jogo. Uma melhor organização nas informações e talvez até tutoriais mais aprofundados seriam bem vindos.

---

Pelo investimento mostrado, as expectativas para o sucesso de Naruto Online são grandes. O jogo no geral é bem feito, embora tenha algumas arestas que necessitem ser corrigidas. Misturando conceitos de MMORPGs tradicionais com mecânicas de jogos de rede sociais, o resultado final é interessante. O jogo roda em navegadores e o acesso é gratuito.

Flávio Augusto Priori é formado em design de jogos e tenta ganhar a vida com esse negócio chamado video game. Para ele Metal Gear é a melhor série já feita e ainda acredita na volta da SEGA. Escrevia para o saudoso Minha Tia Joga LoL e hoje pode ser achado no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais