World of Warcraft (PC): Lok'tar Ogar! Bem-vindos à Horda em Warlords of Draenor

Uma breve história de como a Horda lutou contra a sedução do poder e conquistou seu lugar em Azeroth.


"Vitória ou morte!". Esta é a tradução da frase mais famosa da Horda. Conhecida como uma facção de bravos guerreiros que lutaram muito para conquistar o seu lugar em Azeroth, muitos jogadores não sabem ainda por que a história desse clã parece ser tão sofrida em detrimento das outras. Faremos uma breve retrospectiva para orientá-los na história da Horda de Ferro, a facção alternativa que tomou decisões diferentes para não cometer os erros de um passado doloroso.


Em World of Warcraft - Warlords of Draenor, a Blizzard Entertainment arriscou muito a história do jogo, criando uma linha temporal alternativa do passado de Draenor, mas o resultado foi interessante por causa dos pontos de vista que pudemos observar ao longo da lore.

Draenor e a criação da Horda

No passado, um lorde demoníaco da Legião Ardente chamado Kil’jaeden, outrora líder dos eredar (atualmente conhecidos como Draenei), aceitou de Sargeras, o Destruidor, poder e prestígio em troca de lealdade. Velen, outro líder dos eredar, e alguns de sua própria raça, fugiram do mundo de Argus para se refugiar do poder vil. Esses Draenei buscaram abrigo no mundo de Draenor, onde viviam os pacíficos orcs em clãs xamanísticos. Kil’jaeden, entretanto, não descansou enquanto não encontrou os refugiados, pois achou uma verdadeira afronta não terem aceitado a oferta de Sargeras. Encontrando-os em Draenor, viu uma oportunidade de vingança ao olhar para os orcs, fazendo-os acreditar que os Draenei eram uma ameaça.

Os pacíficos Draenei
Houveram confrontos entre orcs e Draenei, estes últimos sendo quase totalmente aniquilados pela raça guerreira. Como presente final, Kil’jaeden enganou-os, corrompendo os chefes dos clãs com o sangue de Mannoroth, o lorde abissal da Legião, com a promessa de um poder invencível. A raça se tornou poderosa, mas a um preço terrível: a lealdade dos orcs pertencia agora à Legião, nascendo assim a Horda.

A energia vil mudou os orcs, tornando-os verdes, e suas terras mudaram, tornando-se inférteis pela magia vil. Eles foram de encontro aos Draenei, e conseguiram aniquilar a maior parte da população que encontraram. A sede de sangue de Kil’jaeden era tamanha que não parou na vingança pessoal. A mando da Legião, Medivh, o humano mago corrompido, e o bruxo orc Gul’dan construíram o Portal Negro, que abriu uma passagem entre Draenor e Azeroth possibilitando a invasão dos orcs à terra dos humanos. Desavisados, os habitantes de Azeroth foram massacrados, assegurando a vitória dos orcs por um tempo.

O Portal Negro, passagem entre mundos
Um tempo depois, por conflitos internos, a Horda começou a quebrar por dentro, e os que não morreram foram aprisionados em campos de internamento. Nesses campos, um orc chamado Thrall se destacou por sua coragem e liderança. Este acabou por libertar os seus irmãos e com a ajuda de Grommash Grito Infernal, líder orc do clã Brado Guerreiro, matou Mannoroth. Grommash havia bebido o sangue de Mannoroth, mas sacrificou-se no fim dando a vida para remover a maldição do sangue dos orcs para sempre.

Começando um novo capítulo na história dos orcs, Thrall (agora Chefe Guerreiro da Horda) e sua raça se estabeleceram na costa de Kalimdor, enquanto Draenor passou a ser conhecida como Terralém. Alguns anos mais tarde, voltando a Terralém para prevenir mais um ataque da Legião Ardente, Thrall encontrou Garrosh Grito Infernal e convenceu-o a lutar pela Horda, tornando-o seu conselheiro. Percebendo distúrbios nos espíritos elementais, Thrall teve de deixar seu posto de Chefe Guerreiro para investigar a causa, nomeando Garrosh o novo Warchief. O jovem filho de Grommash mostrou-se tempestuoso e agressivo (já na expansão de Mists of Pandaria), o que culminou em sua prisão e julgamento ao fim da expansão passada. Com ajuda de um aliado, ele escapa e viaja de volta no tempo para Draenor antes do surgimento da Horda, criando uma linha temporal alternativa.

Thrall, xamã do mundo
Indo de encontro ao pai, Garrosh avisa que não devem beber do sangue de Mannoroth e serem escravizados. Recusando o sangue de Mannoroth, Grommash surge com a Horda de Ferro, que tem como objetivo construir um novo Portal Negro e conquistar Azeroth dos dias atuais. Existem alguns clãs de orcs em Draenor, e os seus líderes são chamados de Senhores da Guerra (Warlords), que fazem parte do “elenco principal” da história da expansão.

Os Senhores da Guerra de Draenor

O foco na história da Horda que teria nascido se a resposta fosse diferente à sedução do poder é muito maior. Hoje sabemos que a Horda, facção de World of Warcraft, é composta por outras raças além dos orcs, que seriam os trolls, os gnomos, elfos sangrentos, taurens, renegados (popularmente conhecidos como mortos-vivos), goblins e pandarens huojin. A história inicial da Horda (de ambas as linhas temporais), entretanto, se centra basicamente nos clãs Brado Guerreiro, Lobo de Gelo, Lua Negra, Mão Despedaçada, Rocha Negra e Olhos Sangrentos e seus líderes:

Grommash Grito Infernal: líder do clã Brado Guerreiro e pai de Garrosh Grito Infernal. Nessa expansão, visto como líder principal da Horda de Ferro, Grommash não comete erros e é um dos personagens mais adorados da história da Horda (antiga e atual).

Durotan: líder do clã Lobo de Gelo, na história corrente, havia morrido enquanto Thrall, seu filho, ainda era um bebê. Nessa expansão, Durotan rejeita a Horda de Ferro e é um dos principais aliados para a Horda do tempo corrente.

Ner’zhul: líder místico do clã Lua Negra, no passado da história corrente, teve um papel importante na criação do Rei Lich (Lich King) por Kil’jaeden. Em Warlords, ele se junta à Horda de Ferro depois de um ultimato de Grommash para salvar seu clã.

Kargath: líder do clã Mão Despedaçada, tem uma história inspiradora e que admirou muitos: decepou a própria mão para livrar-se da escravidão. Cheio de ódio, tem como característica uma foice enfiada no lugar da mão. Na expansão, ele é o primeiro chefe da raide Malho Imponente.

Mão Negra: líder do clã Rocha Negra, era o Chefe Guerreiro no passado tradicional da Horda, sendo manipulado por Gul’dan. Questionando as decisões do Mão Negra, Orgrim Martelo da Perdição (amigo de Durotan), desafiou-o quando Gul’dan, que o controlava, entrou em coma. Orgrim matou-o e tornou-se o novo  líder da Horda. Nessa expansão, Mão Negra será apenas o líder do clã Rocha Negra e forjador das armas para a Horda de Ferro. Ele também é o último chefe da raide Fundição Rocha Negra.

Kilrogg: líder do clã Olhos Sangrentos. Já tendo visto a sua morte em uma visão do futuro, busca sempre esse fim. Não existe uma história muito extensa desse líder, mas ele é um dos que bebe o sangue de Mannoroth, sendo então o quarto chefe da raide Cidadela do Fogo do Inferno.

Gul’dan: líder, nessa expansão, do clã Senhor do Trovão. Traidor do seu líder Ner’zhul e de seu clã de origem Lua Negra, se uniu à Legião Ardente e tentou convencer seu povo a tomar o sangue de Mannoroth. 


Existe uma paixão dos jogadores, em sua maioria, pela facção da Horda. Pela dedicação, pela luta e bravura, bem como pela incompreensão de algumas culturas dentro dela. O que mais chama a atenção dentro do clã como um todo é a história de cada um, de luta, escravidão e lendas de bravos guerreiros que resistiram à dominação do mal. A nova expansão veio para focar mais na história de uma Horda que pouco conheceríamos, não fosse a “segunda chance” que Garrosh, mesmo sem querer, enfim, deu à ela.

Leitura adicional

O WoW Girl possui uma extensa coleção de arquivos com mais detalhes sobre a história do jogo. Confira: 
O próprio site da Blizzard contém também algumas informações sobre cada personagem:

Revisão: Gabriel Verbena
Capa: Diego Migueis
Morgana Silva escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais