Hearthstone 101: Face Hunter, o câncer

Agressivo, barato e fácil de usar, Face Hunter é um dos decks mais populares de Hearthstone. Aprenda a pilotá-lo!

Em todo jogo online há aquele arquétipo chato que fica rapidamente conhecido como o “câncer”, seja uma classe, os próprios jogadores ou um modo específico de se jogar. Hearthstone não é diferente, e venho hoje por meio deste texto apresentar você, caro leitor, à maior mazela do jogo de cartas online da Blizzard: o Face Hunter.

Decklist

Carta Quantidade Cristais de Mana
Gnomo Leproso 2 1
Infiltrador Worgen 2 1
Sargento Abusivo 2 1
Glaivezuca 1 2
Armadilha de Urso 1 2
Armadilha Explosiva 1 2
Disparo Veloz 2 2
Cientista Louco 2 2
Coruja Bico-de-ferro 1 2
Malabarista de Chamas 2 2
Malabarista de Facas 2 2
Arco Hastáguia 2 3
Comando para Matar 2 3
Companheiro Animal 2 3
Soltem os Cães 2 3
Cavalgante Argênteo 2 3
Golem Arcano 1 3
Comandante Argênteo 1 6

Existem algumas variações pequenas do deck, algumas mais agressivas que outras. A lista acima é a que usarei como base para este artigo.

  • Tipo de deck: Agressivo
  • Custo para montar: 1240 de Pó Arcano 

Na cara, na cara, na cara!

Face Hunter é um deck extremamente agressivo. Ele conta com o uso de lacaios de custo baixo, de forma a encher o campo do jogo o mais rápido possível, e usa como peças cruciais cartas com efeitos que atrapalham o jogador que as joga, como Golem Arcano (que dá um cristal de mana a seu oponente), e, em algumas versões, o lendário Leeroy Jenkins (que invoca dois Dragonetes 1/1 para seu oponente).

A ideia do deck é de acabar com a vida do herói oponente o quanto antes, muitas vezes até entre o turno 4 e 5. O Poder do Herói de Caçador é bastante útil para isso também, dando sempre 2 de dano no oponente.

Trocas entre lacaios não são recomendadas, de acordo com a ideia central deste deck, porém cartas como Cavaleiro Argênteo e Comandante Argênteo, com Investida e Escudo Divino, ajudam caso seja extremamente necessário.
Além disso, um dos maiores trunfos do Face Hunter é a simples Coruja Bico-de-ferro, que, com Silenciar, consegue passar por cima dos efeitos mais fortes do jogo, como Tirion Fordring (Escudo Divino, Provocar, Último Suspiro). Convenhamos, porém, que é muito difícil que o jogo dure o bastante para alcançar o turno 8. Além disso, ela faz parte da tribo fera, tendo portanto muita sinergia com cartas de Caçador e proporcionando maior aproveitamento de cartas como Comando para Matar.

Em caso de dúvida, bata na cara

A fase de mulligan (trocar as primeiras cartas que você recebe) também é bem simples: basta trocar qualquer uma que não seja um lacaio de turno baixo.

Face Hunter é um deck que divide opiniões. Por vezes, quem está jogando contra ele pode se irritar muito com os combos possíveis, coisa que, para quem está o controlando, é uma diversão sem igual.

Combos como Malabarista de Facas + Soltem os Cães com uma board do oponente cheia podem dar aquela dianteira de que você precisava para vencer, se o malabarista quiser te ajudar.
Mas algo que pode assustar jogadores que nunca pegaram este deck é a velocidade com que se esvazia as cartas da mão. É bastante comum que no turno 5 (se o jogo chegar até lá) tenha-se uma, no máximo duas cartas que ainda não foram jogadas. Isso não é um problema, contudo; na verdade, pode até ser útil. Disparo Veloz, se usado com a mão vazia, compra uma carta, além de causar 3 de dano por meros 2 de mana.

Vai ser rápido, mas vai doer

Em suma, Face Hunter, por ser um deck com uma curva de aprendizagem bem simples e um custo baixo para montar, é um dos melhores para alguém que quer começar a ser competitivo em Hearthstone e tem pretensões de subir rapidamente nos ranques do jogo.

Porém, como tudo na vida, o deck não é perfeito, e, por mais que seja bem fácil jogar com ele, você pode acabar se colocando em uma enrascada sem saída e perder bem feio. Existem possibilidades muito mais versáteis no metagame atual que conseguem acabar com a felicidade de qualquer Face Hunter que faça jogadas erradas ou tome o jogo por ganho logo do início. O importante é se divertir e nunca subestimar seu oponente.



Revisão: Bruno Alves
Capa: Felipe Araújo
Guilherme Vaz escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais