Jogamos

Análise: This War of Mine: The Little Ones (Multi) mostra a guerra pela ótica dos civis

Sobreviva, lute e veja seus companheiros partirem nesse drama de guerra em forma de jogo.

This War of Mine: The Little Ones (Multi) é um jogo sobre guerras com uma temática um pouco diferente do que estamos acostumados. Nele o jogador terá que enxergar todo o caos de uma guerra por uma nova ótica, a dos civis. Esqueça os super soldados dos jogos atuais, em This War of Mine as estrelas são pessoas comuns apenas tentando sobreviver a todo custo, mesmo que isso arrisque as suas vidas e daqueles à sua volta.

A derrota da humanidade

A história dessa saga de sobrevivência não deixa muito claro em qual contexto de guerra o jogo está inserido. De acordo com a desenvolvedora, o título se baseia no cerco de Sarajevo durante a guerra da Bósnia, que aconteceu entre os anos de 92 e 96, deixando mais de 12 mil mortos e 50 mil feridos, sendo desse total, 85% de civis.
O Caos e a destruição da guerra estarão por todo lado.
Durante essa jornada pela vida, para que haja um mínimo de conforto entre o jogador e seus companheiros, será necessário abastecer seu abrigo com todo tipo de material, desde madeira, peças para consertos, comida, água até tabaco e medicamentos. Mas apenas a busca por suprimentos não é suficiente. É necessário se proteger em tempos como esses e todo esforço pode ter sido em vão quando saqueadores e pessoas mal intencionadas aparecem na sua porta.

A violência aqui é visceral. Assim como o jogador protegerá seus amigos e parentes, há outros decididos a arriscar tudo por seus ente queridos. A batalha do campo de guerra acaba por respingar seus efeitos no cotidiano de pessoas comuns, transformando o dia a dia em batalhas pessoais pela segurança, amizade e amor.

A arte da guerra

Os gráficos do jogo são, basicamente, em preto e branco e deixam a impressão de um desenho de giz feito a mão com poucos elementos coloridos. Cenários destruídos e casas em chamas revelam que aquela cidade em que se vivia não é mais a mesma e profundas cicatrizes mudarão sua história para sempre.

Durante o dia será importante melhorar seu abrigo e verificar o estado de todos. É necessário se preocupar com a saúde, fome, cansaço e frio não apenas do seu personagem, mas de todos à sua volta, pois a defesa de seu abrigo depende de cada um ali. Levar em conta seus suprimentos e saber administrá-los é essencial para sobreviver até o cessar fogo.
Controle seus suprimentos e leve o mínimo de conforto para seus companheiros.
Durante a noite é necessário planejar a busca por suprimentos. Um mapa indicará locais a serem vasculhados. Eles possuirão sempre um bom estoque para se saquear, mas poderão ser alvos de outros grupos ou estar abandonados, esperando apenas pela sua visita. Apenas um personagem parte nessa busca e fica a cargo do jogador, levando em conta o estado físico e mental de seu grupo, quem irá descansar ou sair pela noite.

Os locais saqueados poderão ser visitados mais de uma vez, já que a capacidade de carregar itens é limitada e as vezes será necessário levar alguns suprimentos básicos como água ou até mesmo armamento para se defender. Os locais que estiverem ocupados deverão ser explorados com cautela. Uma vez que outros “visitantes” o vejam, eles irão lutar para defender seus companheiros e seus saques.
Pessoas hostis aparecerão no seu caminho.
Mas não basta apenas sair em busca de suprimentos e deixar seu abrigo à deriva. Enquanto você estiver fora, outros tentarão saquear seus pertences usando força bruta ou letal. Para que isso não ocorra, você deve proteger seu abrigo construindo armadilhas, barricadas e equipando todos com ferramentas de defesa. Além dos inimigos, pessoas apenas buscando fazer algumas trocas de itens poderão aparecer, mas fique de olho para que o acordo seja vantajosos para ambas as partes.

Às vezes esses conflitos acabam finalizando a vida de seus companheiros e uma vez morto, não há volta. Outro ponto importante é seu personagem controlável, caso morra em uma busca, você terá menos ajuda no abrigo e aquela noite será perdida com menos suprimentos encontrados que podem ter consequência no futuro.

Há três modos de jogo, o modo história normal onde segue-se o grupo de sobreviventes que aos poucos vai aumentando, outro aonde é possível reviver a história de um personagem em específico ou ainda um terceiro, que deixa o jogador definir todos os detalhes como as pessoas do seu grupo, a intensidade da guerra, dias até o cessar fogo, a rigorosidade do inverno e os locais a serem explorados no mapa.

Por fim, os comandos respondem bem e são bastante intuitivos, o inventário é fácil de organizar e segue o padrão de outros jogos conhecidos no mercado. As indicações na tela mostram todas as informações necessárias como sua mochila, o dia, temperatura e hora, para que suas decisões levem em conta também esses aspectos.

Os efeitos da guerra

O diferencial dessa versão para os consoles em relação ao PC, é trazer a expansão “War Child Charity” já incluída, que insere crianças no jogo, deixando tudo ainda mais dramático. Se proteger um grupo de adultos era difícil, crianças que precisam ter pelo menos alguns meios de aproveitarem um pouco de sua infância deixam o título mais emocional ainda.

Assim como os adultos elas estarão suscetíveis aos perigos do mundo em guerra. Poderão ser machucadas ou até mesmo mortas e esse tipo de perda é ainda mais impactante. Para os jogadores que acabam por simpatizar com os personagens, This War of Mine pode ser uma jornada ainda mais difícil do que realmente é.
As crianças deixam a jornada ainda mais difícil emocionalmente.
É bastante complicado inserir esse tipo de temática em um jogo, mas a desenvolvedora reproduziu bem essa questão. Colocar os sonhos, desejos e o futuro de crianças indefesas nas mãos do jogador permitirá que suas estratégias sejam mudadas no decorrer do jogo e decisões mais emocionais poderão ser um ponto crucial de vida ou morte.

Essa minha batalha

A desenvolvedora polanesa 11 bit studios conseguiu retratar de forma excelente todo o drama da guerra através dessa nova visão. Enxergar os impactos de um conflito armado nas vidas de pessoas comuns traz uma nova perspectiva sobre tudo, principalmente quando o jogador passa a assumir a posição de um pai de família, por exemplo, ao invés de uma máquina de guerra armada até os dentes.

Todo esse drama acaba deixando as coisas sentimentais ao extremo, aqueles mais sensíveis e afetados por todo o clima podem ficar desestimulados a continuar. A falta proposital de um tutorial torna a experiência mais crível, deixando a impressão de que em uma situação real como essa teremos que aprender a fazer de tudo um pouco sem nenhuma instrução ou conhecimento prévio.
Perder seus companheiros será comum no jogo.
As músicas tristes, o desestímulo dos personagens não-controláveis, que perdem as esperanças, e as fotos de pessoas reais usadas para retratar cada um dos personagens criarão um sentimento de apego, um laço com seu grupo. Todo o clima gera uma força de vontade para batalhar por aqueles ao seu redor ou enfraquece sua convicção, induzindo-o a deixar de lado essa jornada que precisa não só do coração, mas também de decisões lógicas e racionais.

Sim, This War of Mine: The Little Ones é um jogo triste, mas que ensina bastante sobre a humanidade, a guerra e toda a violência trazida por ela. É do tipo de jogo “ame ou deixe-o”, resta ao jogador experimentar e seguir por essa jornada ou desistir de vez. E sua carga emocional pode desestimular uma segunda jogatina.

Prós

  • A mensagem passada;
  • Visual que retrata a proposta do jogo;
  • Excelente ambientação.

Contras

  • Baixo fator replay;
  • Carga emocional pesada para alguns jogadores.
This War of Mine: The Little Ones – PS4/Xbox One – Nota: 8,0
Versão utilizada para a análise: Xbox One
Revisor: Gabriel Verbena
Capa: Felipe Araújo
Fabio Oliveira é Analista de Sistemas formado pela UERJ. Além da paixão pelo mundo dos games, é fanático por seriados americanos, cultura japonesa e filmes de ficção científica. Fã de Mario e Resident Evil resolveu contribuir para o universo gamer sendo newposter no GameBlast.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais