Jogamos

Análise: Ninja Senki DX (Multi) e a vingança dos 8 bits desafiadores

Um ninja implacável atirando shurikens contra monstros da pesada em uma aventura de arrancar os cabelos


Vingança é um tema pouco recorrente no mundo dos games. Sim, volta e meia aparece alguém falando sobre uma revanche, mas dificilmente o personagem principal é motivado pela vontade de fazer alguém pagar pelo que fez. Ninja Senki DX é uma das exceções. O objetivo do ninja Hayate é matar o demônio que assassinou a princesa Kinuhime, enquanto a sua missão é conseguir atravessar as 16 fases sem ter um ataque de fúria.


Ninja Senki DX não é um jogo novo. Na verdade, trata-se de um port melhorado do Ninja Senki original de PC (e que pode ser baixado gratuitamente), criado por Jonathan Lavigne. Segundo Lavigne, os fãs pediam muito por uma versão para consoles e portáteis, então ele aproveitou o momento para usar a sua nova empresa Tribute Games, responsável por outros jogos de 8 bits como Mercenary Kings, para levar o jogo ao PlayStation 4, PlayStation Vita e Steam.

Com um shuriken tão grande, fica difícil errar um inimigo.

Shurikens vingadores

Hayate é um ninja, portanto deveria ser capaz de se esconder e assassinar seus alvos sem ser detectado. Porém, ele está cego de raiva e jogou todo seu conhecimento de ninjutsu pela janela, exceto a habilidade de jogar shurikens e dar pulos duplos. Isso faz com que Ninja Senki seja muito semelhante a Mega Man. Andamos sempre para a direita ou para cima, há saltos desafiadores e temos que atirar em tudo o que se move. Hayate até compartilha a fraqueza de Mega Man contra espinhos: encostou, morreu.

Isso significa que quem tem experiência com as aventuras do Blue Bomber vai se sentir mais em casa – mas, ainda assim, desafiado. Completar as fases é um exercício de habilidade, precisão e ritmo. O jogador precisa decorar o layout dos estágios, a localização dos inimigos e como eles se movem. Há um padrão para ser aprendido e dominado e a sua única forma de ataque é atirar enormes estrelas ninjas (as famosas e ficcionais Fuuma Shuriken).

Para o jogador comum que não participa de speedruns (eu sou um deles), alcançar o fim de Ninja Senki pode ser frustrante em alguns momentos. Muitas vezes, depois de usar três ou quatro continues na mesma fase, eu largava o jogo e ia lutar um pouco no Street Fighter V para desestressar. E a raiva era sempre comigo mesmo. Se eu errava um pulo e morria, eu sabia que era por não ter acertado o timing do salto. A mesma coisa quando um inimigo me matava ou eu encostava em um espinho. Eu não podia culpar o jogo, pois os comandos eram rápidos e precisos, sem nenhum atraso na resposta.

A inspiração no robô azul da Capcom aparece também na trilha sonora animada e que lembra, bem de leve, instrumentos musicais japoneses como o shamisen. O Japão está representado de todas as formas. Há ninjas usando máscaras de raposa e samurais que repelem os shurikens com suas espadas. Quem conhece a cultura nipônica irá reconhecer os yokais (demônios), como tengu, kasa-obake e oni. Grandes montanhas semelhantes ao Monte Fuji e florestas de bambu enfeitam as paisagens.
Cada fase adiciona um novo tipo de inimigo. Nessa apareceu esse chinês atirador.

Desafio à moda antiga

A raiva por morrer alimentava a minha vontade de me vingar de Ninja Senki. Cada vez que a tela mostrava a frase “Katakiuchi begins”, eu concordava. Era o começo da minha revanche contra o jogo (Katakiuchi significa vingança em japonês). Claro que às vezes eu pensava isso apenas para morrer novamente. Em outras ocasiões eu conseguia terminar a fase e sentia a satisfação de um samurai que vingou a morte de seu mestre.

Esses momentos, junto aos trechos mais tranquilos de cada estágio, mostram claramente o que os criadores queriam alcançar: a sensação transmitida pelos jogos de NES e Master System. Em uma era de jogos com expansões, DLCs, multiplayer competitivo e fator replay, Ninja Senki quer que você jogue novamente até se tornar um mestre. Cada fase possui quatro desafios: coletar todos os Koban (moedas), matar todos os inimigos, terminar dentro do tempo definido e não receber nenhum dano. Eu consegui pegar as moedas e acabar com os monstros algumas vezes, porém nunca consegui completar nenhum dos outros dois desafios.

Além dessas missões extras, o jogo possui três finais, um modo Boss Rush e a modalidade Hardcore, na qual perdemos pontos toda vez que morremos. Como os finais são determinados pela quantidade de pontos obtidos, uma vida perdida pode fazer toda a diferença. E, além disso tudo, existe um segundo personagem jogável chamado Musashi. É um retorno à época em que quando comprávamos um cartucho tínhamos que jogar de todas as formas possíveis para fazer valer o dinheiro gasto.
Um dos chefes do jogo - e o que mais tive dificuldade para vencer.

A vingança nunca é plena…

O pior inimigo de Ninja Senki é o próprio jogo. Seu maior defeito é que ele foi concebido para speedrunners e pessoas que gostam de exibir suas habilidades, aqueles que sentem prazer em dominar um game por completo. Eu não sou um deles e, se você também não é, a diversão acaba rapidamente quando se joga sozinho. Levei cerca de três horas para terminar as 16 fases. É pouco tempo, considerando que foi a primeira vez que eu joguei, inclusive parando para fazer outras coisas.

Apesar disso, o jogo encontra-se acima da média. É tão divertido quanto difícil, o que é impressionante se considerarmos que ele foi criado em 2010 por apenas uma pessoa. Tive bons momentos e até me aventurei no modo Boss Rush, mas não senti vontade de encarar o modo Hardcore. Talvez eu jogue de novo no PS Vita, já que o jogo é cross-buy, para me vingar dos momentos de raiva por quais eu passei da primeira vez em que joguei, aproveitando tudo o que aprendi quando fiz o primeiro final.

Ninja Senki DX serve de vitrine para Levigne e a Tribute Games. O presidente da empresa criou sozinho um jogo de qualidade, o que comprova a sua competência na área. Para nós, jogadores, o título é uma homenagem ao passado e uma porta de entrada para quem quer participar da comunidade de speedrun.

Prós

  • Boa dose de nostalgia
  • Sabe ser difícil sem apelar
  • Controles precisos e rápidos

Contras

  • Dá para terminar em uma tarde
  • Extras voltados para quem gosta de fazer speedrun
  • Pode assustar aqueles que não gostam de desafios

Ninja Senki DX – PC/PS4/PS Vita – Nota final: 7.0
Versão utilizada para análise: PS4
Revisão: Erika Honda
Capa: Daniel Silva
Nicolas Tavares é formado em Jornalismo pela FIAM-FAAM. Alguns dizem que ele é uma experiência da CIA que deu errado e está disfarçado como redator no Game Blast. Pode ser encontrado no Facebook.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais