Blast from the Past

Rayman (PS): 20 anos de encanto, magia e diversão

Celebramos os 20 anos do primeiro Rayman, jogo lançado para PlayStation que marcou o início de uma das séries mais aclamadas da atualidade.


Uma das principais franquias da Ubisoft hoje, Rayman tem se tornado sinônimo de qualidade. Com títulos criativos e divertidos, a série ganhou destaque nas duas últimas gerações. Mas não é de hoje que esta criaturinha de difícil descrição apronta nos videogames. Foi há 20 anos, no primeiro PlayStation, que Rayman conquistou seu espaço no mercado de jogos eletrônicas. Aproveitando esta data especial, resolvemos relembrar este clássico com vocês. Dê um tempo no descanso e venha conosco nesta jornada.

Remando contra a maré

O mercado dos jogos eletrônicos vivia uma transição de gerações durante a metade da década de 1990. Os cartuchos perdiam espaço para os CDs e os jogos 2D ganhavam a concorrência de peso dos títulos em três dimensões. Com isso, a predominância dos tradicionais títulos de plataforma estava sendo superada por novas perspectivas de jogo, que agora faziam uso de tecnologias inovadoras para criar sistemas mais complexos. Mas, em meio a essa mudança de paradigmas, vimos nascer um novo ícone das aventuras laterais.
Rayman nasceu no Atari Jaguar.
Foi neste cenário de mudanças que surgiu umas das franquias de videogames mais aclamadas de todos os tempos. Publicado e desenvolvido pela Ubisoft, Rayman fez sua estreia em 1995. Originalmente publicado para Atari Jaguar, o jogo permaneceu esquecido — assim como a sua plataforma de origem —, até ser lançado em uma nova casa, onde cravaria seu nome como um dos personagens mais icônicos da indústria.
A criação
Rayman começou a ser criado em 1994. Os primeiros esboços foram feitos por Michel Ancel, que se inspirava em contos de fadas de origem russa, chinesa e céltica — essas referências são bem claras ao longos dos jogos da série. Gostando dos primeiros esboços, a Ubisoft resolveu financiar o projeto que seria desenvolvido para Super Nintendo CD. Contudo, com o cancelamento do dispositivo, a empresa resolveu mudar de plataforma. Contratando animadores com experiência em desenhos animados, o jogo ganhou visuais deslumbrantes, sendo lançado primeiro no Jaguar, depois no Saturn, e no PlayStation, onde se tornou um clássico. 
Foi em 1º de setembro de 1995 que Rayman estreou no primeiro PlayStation. Trazendo uma aventura no melhor estilo plataforma, o título causou boas impressões logo no início. A aventura nos apresentava o exótico personagem que dá nome ao jogo, viajando através de cinco mundos  (Dream Forest, Band Lands, Blue Mountains, Picture City e The Caves of Skops), enfrentando criaturas mágicas e superando desafios enquanto resgata pequenos seres místicos.
Para todos os gostos
Embora seja conhecido pela sua versão no primeiro PlayStation, Rayman também foi lançado para outras plataformas. O título teve versões para Atari Jaguar, PlayStation, Sega Saturn, MS-DOS, Game Boy Color, Game Boy Advance, DSiWare e para as lojas virtuais do PSP, PS Vita e PS3 (os três receberam a versão do PS).

Uma viagem colorida e mágica

O mundo — não o nosso mundo — estava em paz. O equilíbrio cósmico e harmônico eram mantido por um objeto místico chamado Great Protoon. Certo dia, uma criatura misteriosa, conhecida como Mr. Dark, resolveu roubar o Great Protoon, fugindo com o objeto mágico e espalhando os Electoons — criaturas que gravitam em torno do Great Protoon. Desesperada pela tentativa de impedir o malvado Mr. Dark, a fada Betilla tentou proteger o seu mundo. Contudo, ela não conseguiu deter o poderoso vilão, que por sua vez, consegue fugir com o objeto mágico.

Estes pequenos seres protetores acabam sendo aprisionados em gaiolas por criaturas malignas, desequilibrando o mundo. Na tentativa de reaver a paz de todos, Betilla resolve convocar um herói para libertar os Electoons e derrotar o Mr. Dark, recuperando o Great protoon. Esse herói era Rayman.

Exótico, mas estiloso
À primeira vista, Rayman é uma criatura bem, digamos, especial. O personagem não tem braços, pernas e nem pescoço. Suas mãos, pés e cabeça ficam flutuando entre o corpo. Mas essa não era a ideia original. O personagem ficou assim por limitações técnicas no seu desenvolvimento. Depois, por gostarem do resultado, os criadores optaram por deixar Rayman como conhecemos hoje. 
Foi neste instante, há 20 anos, que o mundo — dessa vez é o nosso — conheceu um dos personagens mais marcantes da história dos videogames. Era, como anunciando pela fada do jogo, o herói que todos precisavam. E lá estava ele no momento do chamado, como um herói de verdade, deitado em sua rede, curtindo um paraíso tropical sem nenhum tipo de preocupação. Sim, foi assim que conhecemos esse maluco "paz e amor" na geração 32-bits.

Vislumbrando uma geração

A trama era simples, mas o suficiente para levar o jogador a embarcar numa jornada incrível. O jogo tinha início em Dream Forest, uma floresta surreal, repleta de criaturas estranhas e plantas exóticas. Esse primeiro mundo serviu muito bem como apresentação da série, pois trazia visuais belíssimos, com uma fluidez incrível e personagens muito bem animados, conquistando jogadores ao redor do mundo.

Invadindo os computadores
O sucesso do jogo foi enorme, consequentemente, a Ubisoft cuidou em explorar ao máximo a imagem do personagem, principalmente nos computadores. Rayman Gold foi lançado para PC em 28 de setembro de 1997, trazendo novas fases e uma opção de edição de níveis e compartilhamento online. Um ano depois, foi lançado Rayman Forever, também para PC, com 40 novas fases produzidas por fãs, um making-of de Rayman 2 e um imã de geladeira. Meses depois, os franceses receberam Rayman Collector, uma compilação com tudo que foi lançado em Gold e Forever, mais 60 fases inéditas — mais tarde a coletânea foi lançada nos Países Baixos com o título de Rayman. 
Além de cenários detalhadíssimos para a época, uma das características mais marcantes do primeiro Rayman, e que se tornariam a marca registrada da série, são os seus poderes especiais. Embora iniciemos o jogo apenas com as habilidades de andar e pular, ao longo do jogo somos apresentados a novas e interessantes habilidades, como socar, pendurar-se em bordas, planar usando o próprio cabelo e correr. Tudo isso trazia uma enorme variedade para o título, que combinados aos diversos estágios e ao carisma do personagem, ajudaram a fazer o sucesso do jogo.
Na casa do Mario
Originalmente pensado para o Super Nintendo, Rayman acabou indo parar na concorrência. Contudo, a Nintendo também recebeu o jogo anos mais tarde. Intitulado Rayman Advance, o primeiro jogo da série foi portado para GBA em 2001. O título era praticamente o mesmo do PlayStation, mas sem as cenas em animação, perda na qualidade sonora, sprites maiores e uma enorme redução na dificuldade. Em 2009, Rayman foi lançado na DSiWare, para DS, com novos ajustes para deixar a aventura ainda mais fácil.
O objetivo do jogo era libertar os Electoons enjaulados ao longo das fases. Somente com todas as criaturinhas livres é que Rayman seria capaz de enfrentar o Mr. Dark no seu covil em Candy Chateau. Para isso, o jogador deveria percorrer os cenários, resgatando as pequenas criaturas mágicas, desviando das armadilhas, enfrentando os inimigos e saltando pelas plataformas até alcançar uma placa com um ponto de exclamação no final do estágio — tudo como um bom jogo de plataforma deveria ser na época, e muito mais.

Nas páginas da História

Na época que a internet apenas engatinhava e as principais informações relacionadas aos videogames chegavam através das saudosas revistas de videogame — essa época refere-se à década de 1990 praticamente inteira —, Rayman chegava discreto, mas agradando aos especialista da época. Na edição 6 da lendária revista Gamers, de janeiro de 1996, o pessoal recebeu o título, recém-lançado para PlayStation e Saturn, com entusiasmo.

Com o título de "Um colírio para os seus olhos cansados de sangue", a equipe da revista chamou a atenção para o jogo, destacando os seus visuais e trilha sonora. Segundo a edição (página 38), "As telas surpreendem por serem coloridíssimas, usando até 65.000 cores simultâneas. As músicas e efeitos sonoros também são ótimos. A jogabilidade é boa mas a movimentação dos personagens é um pouco lenta.
Premiado
Rayman foi bastante premiado no ano de seu lançamento. A revista EGM, por exemplo, consagrou o título como a "Melhor música num jogo de CD-ROM", “Melhor novo personagem” e "Melhor Animação". O sucesso do jogo foi tanto, que no Reino Unido as cercas de 5 milhões de cópias vendidas superaram clássicos como Tomb Raider II e Gran Turismo.. 
Por fim, o periódico ressaltou a beleza do jogo, mas preparando o jogador para o que iria enfrentar no controle de Rayman. Segundo a publicação (página 38), "Este é um ótimo game, que apesar de parecer infantil é difícil e deve agradar também os jogadores mais experientes". Nisso eles estavam certos. O que eles não imaginavam — e ninguém na época — era que aquele jogo se tornaria uma das séries de maior sucesso dos videogames

Rayman, para sempre

Desde a sua estreia em 1995, Rayman vem conquistando fãs e a mídia especializada com sua trilha sonora cativante, visuais belíssimos, personagens carismáticos e dificuldade na medida. Já foram milhões de cópias vendidas, versões para quase todas as plataformas e melhorias constantes, adaptando-se às mudanças de mercado sem perder sua essência, tornando-se um ícone dos videogames.

Já se passaram 20 anos desde a sua estreia. Mas a idade não é problemas para esse maluco. Na verdade, Rayman é cada vez mais popular. Títulos como Rayman 2: The Great Escape (PS/N64/DC), Rayman 3: Hoodlum Havoc (PS2/XB/GC), Rayman Origins (PS3/X360/Wii) e Rayman Legends (PS4/XO/WiiU) mantêm vivo o legado da franquia, trazendo novos fãs e aperfeiçoando a fórmula de sucesso criada na década de 1990. Todos prontos para as próximas mágicas e divertidas aventuras desse malucão?
Revisão: Alberto Canen
Capa: Leandro Alves

Ítalo Chianca escreve para o GameBlast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais