Jogamos

Just Cause 3 (Multi) é mais do mesmo, mas ainda agrada aos fãs

O novo game da Avalanche Studios traz poucas mudanças, mas continua sendo incrivelmente divertido.


Desde 2010 fãs aguardavam ansiosamente pela chegada de mais um título de uma das séries mais no sense distribuídas pela Square Enix. Just Cause é, com certeza, a franquia mais importante criada pela desenvolvedora sueca Avalanche Studios, que esse ano também foi responsável pelo desenvolvimento de Mad Max (Multi).



Para aqueles que ainda não tiveram contato com a série, Just Cause 3 (Multi) é um jogo de ação que se passa em um gigantesco arquipélago, que funciona como mundo aberto, onde você assume o papel de Rico, um ex-agente especial da Cia, que tem a sua disposição um extenso arsenal de armas e veículos, incluindo algumas coisas típicas de filme de agentes secretos à la James Bond. Entretanto sua marca registrada é a arma principal, o grappling hook, uma espécie de gancho ligado a um cabo que lhe permite não apenas uma locomoção extremamente ágil como também pode ser usado das mais diferentes maneiras contra seus inimigos.

De volta às origens

 Nesta nova aventura, vários anos depois de suas peripécias na ilha paradisíaca de Panau, nosso protagonista, Rico Rodriguez, retorna a sua terra natal, a república mediterrânea de Medicci, que está sofrendo sob o controle brutal de um ditador, o General Di Ravello. Com a ajuda de seus antigos companheiros, Rico tem agora o objetivo de acabar com o poder do General.
 Até aqui não há novidade alguma em relação aos outros games da série. Em algum momento do jogo, nosso protagonista tem de pôr abaixo o governo totalitário que rege o local onde a narrativa se desenrola. Apesar deste não ser ponto forte da franquia, em Just Cause 3 a Ditadura de Ravello é apenas a “ponta do iceberg”, a história guarda muitas surpresas e reviravoltas aos jogadores.

Para aqueles que realmente se interessavam pela narrativa do jogo ou querem dar uma chance a esta, pela primeira vez nós, brasileiros, recebemos uma versão totalmente localizada de um game da série, com direito a legendas e dublagem de qualidade.

O lugar fica mais bonito em chamas

 Antes mesmo de parar para apreciar o cenário, não podemos deixar de notar a aparência de Rico. Ele parece ter engordado alguns quilinhos desde que esteve em Panau, inclusive seu rosto está mais cheio e redondo. Mas brincadeiras à parte, o que de fato ocorreu é que tanto o protagonista quanto outros personagens passaram por uma reformulação que, esteticamente falando, tornaram sua origem étnica muito mais destacada.
 Com exceção dos personagens, o cenário não é rico em detalhes, mas todos os elementos gráficos justificam sua exclusividade para a nova geração. A iluminação e a vivacidade das cores continuam sendo seus grandes destaques, a ponto de dificilmente encontrar um rival à altura nestes quesitos, mesmo entre melhores game da nova geração. Aliado a isto, a grama e as flores são afetadas com a presença dos personagens, ficando amassadas ou mesmo se despedaçando no ar, dependendo da ocasião e de suas ações, o que dá um toque de realidade.

É ação que não acaba mais

 O game, no geral, é mecanicamente muito semelhante ao anterior, porém foram realizadas algumas mudanças e acréscimos que, mesmo que minimamente, inovam o game. Para começar, preservaram o paraquedas e, é claro, seu grappling hook, todavia, agora você também tem a sua disposição um traje planador, que combinado com a garra permite que você consiga não somente planar, mas literalmente voar a curta distância.
 As viagens rápidas e as encomendas de armas e veículos também continuam a existir, porém agora são limitadas e só são liberadas após a realização das primeiras missões do game. Apesar de a princípio isso parecer desvantajoso, Just Cause 3 lhe permite realizar viagens para pontos específicos do mapa, como para o local exato dos desafios e postos dominados.

Podemos dizer que as missões são divididas em: missões principais, desafios e liberação de postos. Muitos jogadores, no entanto, não gostam de fazer as duas últimas, mas o jogo, algumas vezes, obriga-lhe a realizá-las, pois além da execução destas resultar na liberação de novas armas e habilidades, elas muitas vezes serão pré-requisito para desbloquear as missões principais.

Os veículos, por outro lado, não dependem da conclusão de qualquer espécie de missões, basta que você os leve para uma garagem e automaticamente o veículo passa a ser seu, de modo que você pode pedir para que ele seja entregue em qualquer lugar do mapa, com exceção, é claro, do interior dos postos que você ainda não conquistou.

O sistema de combate teve pequenos aperfeiçoamentos, como o fim da necessidade de se apertar duas vezes o botão de armas leves para poder usar duas delas simultaneamente, uma em cada mão. Agora as armas como pistolas, revólveres e submetralhadoras só podem ser usadas em duplicidade, porém estas continuam gastando munição individualmente.

Outra mudança que, provavelmente, irá desagradar a alguns jogadores, é o novo sistema de engrenagens. Para quem não sabe, as engrenagens são usadas como recompensa ao realizar missões e liberar postos dominados pelos inimigos. De qualquer maneira, estas não poderão mais ser aplicadas em melhorias para suas armas e veículos, aliás não há mais qualquer sistema de evolução envolvendo diretamente estes equipamentos. Ao invés disso, agora o jogo possui uma árvore de habilidades chamadas Mods, cada uma delas focada em um determinado tipo de equipamento, totalizando oito categorias distintas (Destruição, Armas, Explosivos, Gancho, Travessia, Veículos Terrestres, Veículos Aéreos e Veículos Marítimos).

A maneira mais rápida de conseguir engrenagens é fazer um dos inúmeros desafios espalhados pelo arquipélago. Cada um dos desafios corresponde diretamente a certas árvores de habilidades e lhe fornece de uma a cinco engrenagens, dependendo do desempenho exercido durante sua realização. Por exemplo: ao completar o desafio Helicóptero Frénetico I, no qual você utiliza um helicóptero para causar o máximo de destruição a um posto dominado, você adquirirá engrenagens que podem ser gastas em Mods de Destruição. Em outras palavras, você tem de se atentar a determinados desafios para liberar a habilidade que se deseja.
 Por fim, como nos títulos anteriores da série, Just Cause 3 não possui um modo multiplayer nativo, entretanto, dependendo do jogador, o game pode se tornar muito competitivo, porque agora existem placares internos, que aparecem automaticamente quando você desempenha determinada ações, como o uso do gancho para percorrer grandes distâncias ou correr a mais de 180 km/h com um automóvel.

Isso parece confusão e eu adoro confusão

 Esses recursos online que visam à competição aliados com um possível DRM fazem com que a inicialização do game e os carregamentos se tornem muito demorados. Além disso, o jogo ainda sofre de uma terrível queda de frames, alcançando algumas vezes menos de 20 fps, o que torna a jogatina impraticável em alguns locais do mapa, como a parte interna das cidades. Até o momento não foram lançados quaisquer patchs ou drivers específicos para o game, todavia, em comunicado oficial, a Square Enix prometeu disponibilizar uma correção pouco antes do lançamento oficial do jogo, o que provavelmente dará conta da maioria dos problemas.

A obrigação de concluir desafios e liberar postos inimigos, que demandam que você destrua dezenas de outdoors, fontes de comunicação e energia, para só então avançar nas missões principais, é outro grande problema de Just Cause 3, pois rapidamente torna a jogatina repetitiva e tediosa, o que poderá desanimar alguns jogadores.

Essa era a intenção

 Comparado aos seus antecessores, não traz grandes mudanças em relação a suas mecânicas, porém seus gráficos honram a nova geração, além de matar a saudade dos fãs, que desde 2010 aguardavam uma continuação. Sendo assim, se você não dá grande importância a histórias imersivas, mas gosta de se aventurar em enormes cenários de mundo aberto, onde poderá usar toda a sua criatividade para espalhar caos e destruição, tudo isso adicionado a uma grande variedade de veículos e armas, Just Cause 3 é o seu jogo.
                               Just Cause 3 — PC/PS4/XBO — Nota: 7.5                                                                                      Versão utilizada: PC
Revisão: Vitor Tibério
Capa: João Gilberto
Manoel Siqueira Silva é formado em Análise de Sistema e Filosofia pela UFSCar. Aprecia games de todos os gêneros, mas confessa ter uma queda por RPG e jogos de mundo aberto. Está sempre em busca de games de qualidade que foram subestimados ou são desconhecidos. Este ser pode ser encontrado no Twitter e no Facebook.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais