Blast Test

Space Grunts (PC) são da Terra, aliens mortais são da Lua

Embarque numa caçada frenética por aliens e respostas numa isolada base lunar, um turno por vez.

Em 2476, durante a instalação das bases lunares, a federação terráquea espacial recebe sinais de perigo nos confins do espaço. Então cabe à infantaria descobrir o que há de errado dando tiros com armas laser e atirando mísseis em mortais aliens para alcançar a verdade escondida nos confins da estação. Qualquer semelhança com uma certa caçadora de recompensas chamada Samus Aran é mera coincidência.


Mas as coincidências param por aí. Space Grunts mistura ação frenética, explosões, um sistema de combate em turnos e mapas gerados aleatoriamente comum aos sistemas dos rogue-likes. Essa foi uma mecânica bem diferente que o estúdio indie Orangepixel conseguiu criar.
BOOM!

Chega até a ser um pouco difícil de dominá-la no começo, quando você passa diversos turnos enquanto corre pelo cenário sem observar direito itens e inimigos, que vão se aproximando a cada passagem de turno ao andar um quadrado de distância. Contudo, os dois estilos são redondinhos, duas coisas boas como andar de bicicleta enquanto se ouve música com fones de ouvido: fazer as duas coisas ao mesmo tempo pode ser um pouco desajeitado no começo e você pode...morrer as vezes, mas é só tomar cuidado e ficar atento ao cenário. Vale lembrar que quando você morre todo seu progresso é perdido e precisa recomeçar do zero. Essa é a famosa permadeath, própria dos rogue-likes.
Foi uma honra lutar ao seu lado.


Ação em turnos (bem curtos)

Os cenários consistem em câmaras separadas por portas. É aqui que a ação acontece. Existem muitas caixas que podem ser eliminadas para liberar caminho, achar itens ou, dependendo do seu azar, só torrar munição à toa. Já os inimigos são feitos em um estilo de pixel art bem caricaturado, mas passam longe de parecer inofensivos. Eles tentam te encurralar com vários padrões de movimento diferentes. Vermes que grudam em você e vão sugando sua vida a cada passo dado, robôs patrulheiros que andam em linhas retas e causam muito dano até você se aproximar, guardas que se transportam pelo campo e alienígenas brutamontes que causam um dano pesado na sua armadura.

O fator surpresa é a chave do jogo, ao intercalar câmaras repletas de obstáculos, e nelas é possível descobrir quartos secretos com tesouros, rotas alternativas, tele-transportadores para andares inferiores da base lunar e flores espaciais que podem gerar radiação ou esporos de cura. Essa aleatoriedade gera umo frio na barriga, e essa é sempre uma emoção bem-vinda para quem joga esse estilo de jogo. E sua trilha sonora contribui para a sensação de isolamento e perigo.

A infantaria consiste em três personagens, cada um com vantagem em um atributo – força, sorte e perícia. Força te dá obviamente mais força bruta e também mais vida. Perícia melhora o poder dos itens que você encontra (lança-chamas, bombas e outros) e Sorte aumenta a chance de eles aparecerem. Mas mesmo com esse último personagem, topar com um item não é fácil, e para complicar ainda mais os itens são consumíveis. Ou seja, como só dá para usar uma só vez, a sorte acaba se provando um atributo de menor importância nas horas de aperto.

Claro que não vai ser ruim melhorar a possibilidade de encontrar uma arma, podendo ser de combate corpo-a-corpo ou então de armas de fogo. Porém, você vai precisar de alguns pés-de-coelho e ferraduras douradas para achá-las. E mesmo não consumindo munição, as armas brancas possuem um limite de utilizações e depois somem. Portanto, é mais garantido fiar com as armas de fogo. Elas também podem receber melhorias com power-ups de alcance e dano.
Só sendo muito sortudo pra ter tudo isso ao tempo no inventário.


Atentos aos jogadores

O jogo foi lançado dia 15 desse mês em estágio beta, mas os desenvolvedores garantem pelo menos 20 horas de jogo na sua fase atual. De qualquer forma, eles estão abertos a críticas e recomendações nas redes sociais, via e-mail e fóruns. O feedback agora é importante porque já é a reta final do desenvolvimento: ele deve estar pronto entre janeiro e fevereiro de 2016. Portanto, você já pode aproveitar o acesso antecipado no PC, Mac ou Linux, pagando o preço de R$ 19,99 (ou $ 9,99) e ainda decidir os rumos do desenvolvimento em parceria com a comunidade Steam.

Space Grunts acaba sendo desafiador e com uma proposta incomum, executado de uma forma promissora. Ele pode melhorar ainda mais com o feedback vindo desse canal aberto pelo Orangepixel para os jogadores discutirem sobre o futuro do jogo.


Colaboração: Vinicius Eleno
Capa: Felipe Araújo
Rafael Buffon é formado em Jornalismo pela UPF e redator no GameBlast. Além de videogames portáteis curte literatura, jazz e é apaixonado pela banda Velvet Underground.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais