Jogamos

Análise: Heroes of Loot (Multi) é um roguelike competente

Originalmente lançado para celulares, o jogo tem um port competente para o PC.



Roguelike” pode ser considerado uma “palavra popular” hoje em dia, pelo menos no mercado de jogos. Quando a colocam como descrição de um jogo, a situação se torna mais atraente do que o esperado. Cenários gerados aleatoriamente, dificuldade elevada e a necessidade de não morrer são partes integrantes de um gênero antigo, mas que vem crescendo muito nos últimos anos.

Só que chega um ponto no qual, depois de uma avalanche de lançamentos com esse mesmo estilo, normalmente variando pouco com seu conteúdo, os consumidores ficam saturados. Por mais que gostem, jogar a mesma coisa com uma mudança somente na apresentação acaba cansando. Só que, no meio de tantos lugares comuns, aparece alguma coisa que é tão diferente, e por isso, divertida, que a pessoa temporariamente esquece seu cansaço. E Heroes of Loot é um caso onde, temporariamente você está a salvo da fadiga.

Atire, atire, atire

O jogo tem uma premissa básica, mas diferente do que sempre vemos. Você, como um dos (inicialmente 4) heróis, deve entrar numa dungeon, que é a principal atração turística de um reino, para matar monstros e, com isso, atrair versões mais fortes dos mesmos. O calabouço infinito é gerado aleatoriamente a cada andar que você está dentro dele. Você nunca pode simplesmente pular de um  para o outro, primeiro deve matar boa parte dos monstros  para achar a chave que permite o acesso ao próximo desafio.
A dungeon é gerada aleatoriamente
Com as “regras” estabelecidas, chega a hora de sua interação com o jogo. E ela é incrivelmente simples. Usando o analógico esquerdo para se mover e o direito para atirar em qualquer direção, você deve ir matando tudo que aparecer pela sua frente e ir pegando a quantidade enorme de loot que eles deixam. Loot, por sinal, que não é nenhuma arma permanente ou coisa do tipo, e sim dinheiro. Dinheiro que serve para comprar poções de recuperação ou itens permanentes que adicionam habilidades passivas.

Raramente, os inimigos podem acabar deixando runas após sua morte. Essas runas, de uso limitado, adicionam características aos seus golpes. A de fogo faz um jato giratório, a de trovão um circulo de raios ao seu redor, etc.

A sutileza nas diferenças entre classes

Sendo a jogabilidade relativamente simples, como variar as classes de forma suficientemente boa? A solução, que remete muito aos shooters de nave com várias opções para você escolher, é ótima. Pequenas diferenças, em sua grande maioria passivas, entre cada uma das opções. O mago ganha um tiro mais forte no nível 4, e as runas duram mais com ele. A valquíria, por sua vez, recupera vida sozinha. O guerreiro tem mais defesa, e o elfo consegue atirar mais rápido.
As 4 classes disponíveis inicialmente.
Essas pequenas diferenças fazem cada classe se encaixar num perfil diferente para cada jogador, não estagnando o jogo em um modo obrigatório de se jogar. Quem preferir um progresso mais rápido vai querer o mago, enquanto quem quiser aguentar melhor os danos vai escolher o guerreiro.

As diferenças continuam avançando quanto mais níveis você sobe, fazendo que lá pelo 20 as classes sejam quase como personagens diferentes de um jogo de luta. Só que com isso vem um problema: essa variedade, com a exceção do tiro do mago, dificilmente é notada no começo. Uma dedicação um pouco grande é necessária para as classes realmente variarem entre si, e isso acaba passando a sensação de ser algo repetitivo.

O revés de ser simples 

A abordagem extremamente simples do jogo é ótima, mas consegue ser problemática também. Heroes of Loot foi originalmente lançado para celulares, fazendo a simplicidade ser parte importante do produto. Quando ele é passado para algo maior, como um computador, isso pode se perder de forma muito fácil.
Alguns pequenos desafios podem aparecer durante o jogo.
Você não vai ligar ele no ônibus logo depois de usar o WhatsApp, você vai pegar ele pra jogar quando estiver querendo fazer isso. Perdendo-se esse senso casual que se encontra em jogos para smartphone, Heroes of Loot se torna um tanto quanto arrastado e lento.

Tendo em mente que o computador não é sua plataforma original, o impacto talvez seja menor, mas ainda sim é capaz de decepcionar. O jogo também está disponível para o Vita, onde talvez, por ser portátil, essa sensação de lentidão seja diminuída.

Um grande pequeno jogo

Heroes of Loot é um bom jogo. Apresenta uma boa jogabilidade, uma profundidade implícita sem perder sua apresentação simples e, acima de tudo, é divertido. Os problemas que o jogo encontra são mais pela plataforma que eu o joguei, e não por causa do jogo em si, mas talvez alguns modos extras para o PC fizessem a experiência parecer mais robusta. Ainda sim, o saldo é positivo.

Prós
  • Bons mapas gerados aleatoriamente
  • Diferença entre as classes é bem notável, não dando a sensação de ser o mesmo personagem com um visual diferente
  • Jogabilidade confortável e de fácil aprendizado
Contras
  • Demora até as diferenças entre as classes realmente aparecerem, transformando parte do jogo bem repetitiva
  • O jogo tem um ritmo não apropriado para um jogo de plataforma de mesa
Heroes of Loot — PC / Vita / iOS / Android — Nota: 7

Versão utilizada para a análise: PC
Dácio Augusto é estudante de Gestão Financeira na Fatec e redator no GameBlast. Cercado de jogos desde pequeno, foi crescendo e aprendendo a fazer avaliações mais lúdicas do que objetivas.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais