Jogamos

Análise: The Talos Principle: Deluxe Edition (PC/PS4) é um puzzle inteligente e filosófico

Explore um ambiente silencioso, mas cheio de questionamentos e mistérios que estimulam a mente.


O que define o ser humano? Será a nossa capacidade intelectual, ou os nossos sentimentos? Ou será nossa curiosidade insaciável que nos leva a explorar e compreender os mistérios do universo que nos cerca? Todas essas são questões filósoficas que vêm criando pensamentos variados na humanidade desde o tempo de Sócrates, na Grécia Antiga. Mas como explorar esse conteúdo complexo de uma forma interativa? The Talos Principle não oferece respostas, mas torna perguntas profundas uma aventura por diferentes enigmas bem elaborados.

Admirável mundo esquecido

Assim que você abre os seus olhos e contempla um mundo calmo e idílico, o único som que se ouve são as folhas das árvores tocadas pelo vento. No fim, o ambiente do game parece uma mistura de ruínas gregas com a Biblioteca de Alexandria. Tudo é muito tranquilo até que você começa a ouvir uma voz falando de algum lugar distante e ressoando na sua mente. Seu nome é Eloim e ele se diz “Deus”. Ele lhe faz uma proposta interessante: resolver seus desafios em troca da vida eterna. Ora, quem não iria desejar isso?
A pergunta não é "Onde estou?" mas "Quem eu sou?"

É justamente essa pergunta que The Talos Principle tenta responder, ou pelo menos, estimular o jogador a se questionar o que é vida e o que significa ser um ser humano. Essa dialética é criada entre as experiências do jogador através dos puzzles que Eloim lhe põe de desafio, as falas ressoantes do Deus e por terminais espalhados por esse mundo belo e esquecido. Os puzzles do game são a forma de The Talos Principle manter o jogador atento enquanto tenta discutir sobre temas filosóficos e metafísicos. Já os terminais são uma forma divertida e interativa de descobrir mais sobre o passado e dialogar com uma IA que lhe propõe questionamentos muito interessantes.
Pergunte e o terminal lhe responderá.

O objetivo de cada puzzle é coletar tetrominoes (peças coloridas que mais parecem saídas de Tetris) que servem como chaves para ativar mecanismos no Templo de Eloim. O templo do Deus funciona como uma central que conecta o jogador a diferentes áreas do mundo com desafios únicos. Não existe uma ordem para completá-los, então você tem um senso de “liberdade” no sentido que você pode explorar o mundo e seus detalhes na maneira e no ritmo que quiser. Mas tome cuidado, assim como Adão e Eva não podiam comer do fruto proibido, você pode descobrir muito sobre esse ambiente estranho e seu “Deus”, mas está proibido de subir em sua torre. Obviamente, isso não é um impeditivo para o personagem. Quem disse que somente humanos podem ser movidos pela curiosidade?
O Templo de Eloim é a central desse estranho mundo silencioso.

Desafios na medida certa

Desde o primeiro puzzle que seu personagem precisa resolver para poder prosseguir em sua jornada, o jogador percebe que essa experiência não será muito complicada. Como todo bom game do gênero, The Talos Principle cria desafios com progressão de dificuldade, mas em todos eles é possível notar que seu ponto forte não é o nível de dificuldade, mas sim a forma inteligente como são construídos. Pode-se perceber também que o game sabiamente soube se inspirar em games como Portal para criar desafios que não fizessem o jogador arrancar os cabelos, mas sentir satisfação ao completá-los. Você faz uso de artefatos simples, como equipamentos que bloqueiam sinais, chaves e outros. Tudo muito simples, mas bem-feito.
Bloqueie e desbloqueie seu caminho.

Além disso, cada ambiente de puzzle é pequeno. Esqueça desafios longos ou que precisam de paciência para serem realizados. Nesse mundo vazio e cheio de mistérios, os puzzles são feitos de forma a estimular o raciocínio do jogador e não sua agilidade. Mas fique atento que não existem checkpoints. Caso você falhe ou um drone de segurança capture você e o extermine, você será “rebobinado” até o início do desafio. Nada que seja muito frustrante, mas vai fazer com que o jogador tome cuidado a cada passo que der. Não é porque o mundo é belo e pacífico que os puzzles também serão assim.
São muitos tetrominoes para encontrar em vários locais.

The Talos Principle chega no momento certo para essa geração. O jogo propõe uma experiência única ao fazer o jogador resolver puzzles bem elaborados enquanto para, pensa e elabora ideias sobre temas que podem parecer muito complexos para muitas pessoas. Mesmo que possa parecer uma jornada solitária em que existe apenas você e uma voz misteriosa, o jogador nunca está sozinho. Você estará sempre acompanhado dos questionamentos da condição humana e como nossa curiosidade nos move adiante, seja pelo caminho certo ou pelo errado.
Pode parecer complicado, mas na verdade é bem elaborado.

Prós

  • Temas filosóficos bem explorados;
  • Puzzles inteligentes.

Contras

  • Soluções de puzzles repetidas.


The Talos Principle —Multi — Nota: 8.5
Versão utilizada na análise: PS4
Revisão: Alberto Canen
Capa: Daniel Serezane
Luís Antônio Costa é graudado em Ciência da Computação pela UFRGS. Apaixonado por games desde que ganhou seu primeiro Master System e conheceu Sonic, também é amante da ciência e um devorador de livros. Além do GameBlast, também faz alguns textos para o Medium e pode ser encontrado no Facebook e Twitter.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais