Jogamos

Análise: Rebel Galaxy (PC): um universo cheio de exploração, vendas e explosões

Abrace o fora-da-lei espacial que existe em você.


Liberdade no espaço. Talvez seja o desejo de toda pessoa que um dia assistiu Guerra nas Estrelas, Jornada nas Estrelas, ou qualquer outro filme espacial. Para nós jogadores esse sonho sempre se manteve com alguns grandes sucessos, como EVE (PC), porém exigindo quase nossa vida toda em troca, e outros que prometeram e entregaram o que o espaço pode ser na realidade: apenas um grande vazio. Dessa vez, a Double Damage Games, um estúdio criado a partir da união entre desenvolvedores de Torchlight (PC) e Diablo (PC/PS), nos entrega Rebel Galaxy com a promessa de um universo cheio de possibilidades, cumprindo muito bem esse quesito. Confira o trailer:



Onde está a tia Juno?

Uma das melhores escolhas da DDG possivelmente foi ter feito uma história principal simples, que pode servir apenas como uma introdução para todo o universo de Rebel Galaxy. Segundo os próprios desenvolvedores, você pode escolher até ignorar a história e fazer o que quiser que não será preso por bloqueios que precisem ser completados através da história. Mas seguindo ela, sua missão é ir em busca de sua Tia Juno, uma contrabandista razoavelmente conhecida, enquanto faz negócios com parceiros dela para conseguir informações.

Como outros jogos em que suas escolhas influem sobre as ações dos outros e sua reputação, você pode abordar os personagens pelo caminho de diferentes formas e receber reações diversas, como ao encontrar um dos contrabandistas que pede a você para matar alguns inimigos e, caso você recuse, ele pedirá que você compre um item ilegal para ele. Por sinal, essa pode ser uma ressalva quanto ao sistema do jogo. Graças ao pedido de um deles, fiquei presa por horas numa missão do início do título por simplesmente não encontrar o item em nenhuma estação, até onde ele não era considerado ilegal. Se não fosse a história ser opcional e não influir no progresso, eu poderia ter ficado sem avançar por algo que seria simples falta de sorte.

Direto de uma fazendinha do Texas: meio caipira, meio brutamontes.


Além disso há uma certa falta de personalidade nos personagens que você interage, como quase todo humano que você encontra ter um sotaque caipira, com leves variações para robôs e aliens simpáticos ou bem irritadiços.

Batalha naval no espaço

O universo de Rebel Galaxy é muito grande. Além do Sistema inicial, você ainda tem outros treze pela frente, todos interligados e gerados proceduralmente. Então, enquanto a história principal pode ser terminada em média em 30 horas, você vai gastar outras dezenas evoluindo sua nave para explorar tudo que o jogo tem a oferecer.
O primeiro sistema é só o início.

Sua nave, assim como outras de classes grandes, tem movimentação apenas bidimensional, então você não pode fazer super manobras como outras naves menores que você encontrar pelo caminho. Dependendo da nave, você realmente sente que está navegando com algo grande e pesado, tendo que planejar suas manobras com antecedência para não bater em asteroides ou estilhaços soltos. Por sinal, ter um mercenário ao seu lado vem bem a calhar num universo onde cada Dobra Espacial pode trazer um esquadrão de piratas interessados em roubar sua mercadoria.



Mas a bidimensionalidade não tira o brilho no combate de Rebel Galaxy, que é muito bem planejado. Em batalhas, o foco fica nas laterais, assim como em navios, onde sua artilharia pesada está, e por isso você deve planejar bem a localização da sua nave em relação aos inimigos, administrando também o foco de dano que está recebendo. Sua nave é amplamente customizável, contando com metralhadoras, canhões de laser, minas com rastreamento por calor e outros vários equipamentos que funcionam muito bem tanto no automático, usando as táticas disponíveis de como cada arma irá se comportar (incluindo o mercenário que vai lhe acompanhar), quanto com mira manual, que também é bastante precisa, permitindo que você alterne entre armas e ângulos da nave rapidamente.

Além disso, você tem controle também na sua defesa, usando os defletores para anular ataques. Quando sua nave está com o defletor ativado, você não pode atacar e vice-versa, então cabe a você decidir a hora certa entre alternar defesa e ataque. Mantenha sua nave bem equipada, pois encontros explosivos vão acontecer com muita frequência.
Vá juntando alguns créditos para realizar alguma melhoria, as naves maiores são bem caras.

O jogo é todo planejado para ser jogado com controle e, apesar de parecer complicado à primeira vista, é extremamente intuitivo com atalhos fáceis de serem acessados. Mesmo assim, é totalmente customizável para uma experiência satisfatória no Mouse e Teclado. Além disso, oferece bastante dicas de como agir em determinados momentos, como quando você é abordado por piratas ou militares que podem ser muito difíceis para você combater e talvez a melhor opção seja ativar sua Dobra e fugir o mais rápido possível.

Interessado em negociar?

Rebel Galaxy é focado na sua liberdade. Como você quer crescer no espaço? Há várias opções mesmo. De minerador a pirata espacial, qualquer uma delas lhe dá possibilidade de viver independente ou juntar várias funções em uma. Talvez uma das atividades mais bem exploradas nesse universo imenso seja a venda e troca. Como contrabandista ou mercador honesto, o jogo lhe entrega um mercado de Commodities muito bem construído.



Em cada estação você encontrará uma atualização do que está em alta e em baixa no Sistema que você está. Cada estação também tem seus itens que estão sempre em estoque e os que nem sempre estão, indicando qual a demanda de cada um e até os itens que são ilegais. Tudo influi nesse mercado. Se a estação está faminta, praticamente todos os itens estarão em falta. Se ela acabou de receber um comboio cheio de mercadorias, você irá encontrar muitos itens baratos. E é aí que você entra. Tendo um compartimento de carga grande, você pode estocar vários itens por preço baixo e seguir para a próxima estação até chegar em uma onde a demanda está alta.

 Também é possível hackear transmissores pelo caminho que atualizam a situação do mercado de todas estações no Sistema. O único problema é que o jogo não lhe explica bem como é a passagem dos dias, então às vezes sua informação de uma estação já está 150 dias atrasadas depois de algumas Dobras. Claro que você pode jogar tudo isso para o ar, se tornar um pirata espacial ganhando dinheiro explodindo naves de outros mercadores inocentes e ser muito bem sucedido nisso. Ou um caçador de recompensas. Você decide sua história.


Como mencionei anteriormente, a história principal é totalmente optativa e você pode avançar pelo jogo apenas fazendo os contratos que lhe interessar. Ao chegar em cada estação, há um painel de contratos e um bar. Lembre-se sempre de conversar com o Garçom para saber as novas do quadrante e conseguir alguns contratos por fora. Outro ponto muito importante é o sistema de reputações. Com tantas missões secundárias disponíveis, cada missão que você escolhe influi diretamente em pelo menos uma facção, então você deve administrar bem sua reputação com 5 facções diferentes: os Cidadãos comuns, o Exército do Sistema e outras 3 facções piratas.

Dependendo de como você interage com cada uma, você obtém muitas vantagens ou pode tornar sua vida no espaço bem difícil. Além disso, você pode entrar em guildas diferentes, como a dos Mercadores e dos Mercenários. Cada uma das guildas oferece suas exclusividades, incluindo equipamentos, itens de mercado e até naves próprias que podem ser compradas dependendo do seu Rank na Guilda. Mais uma vez, tudo depende de que missões você escolhe fazer.

Nem só de explosões vive um Universo

O universo de Rebel Galaxy, além de cheio, é muito bonito. Nas várias viagens entre estações, você encontrará muitas nebulosas e campos de asteroides com visuais variados, com direito ao reflexo incandescente de uma estrela próxima. Mesmo assim, o jogo permite uma customização de efeitos muito boa para computadores que não suportam a configuração máxima recomendada.


A interface é minimalista e intuitiva, o que facilita muito o processo de aprendizado do jogo, fornecendo sempre as informações importantes, como risco de proximidade e quantidade de dano durante batalhas, mas poderia informar mais objetivamente a capacidade total de dano que a nave pode receber, incluindo porcentagem do escudo, que só ficam disponíveis no menu e após realmente tomar algum dano.

A trilha sonora é um ponto alto e é toda composta por músicas de Hard Rock, contribuindo para uma ambientação no estilo mais fora-da-lei com leves toques de Blues, com artistas como Blues Saraceno e The Blue News.

"Have a safe trip, mate."

Para os amantes de aventuras espaciais, Rebel Galaxy é uma incrível adição à coleção, trazendo uma grande variedade e muitas horas de conteúdo adicional muito além da história principal. Apesar de algumas pequenas falhas na narrativa e sistema, é com certeza um grande acerto da Double Damage Games, criando expectativas altas para os próximos jogos do estúdio. Abrace o fora-da-lei espacial que existe em você, ative seu motor de dobra e encare tudo o que o universo tem a lhe oferecer.

Rebel Galaxy estará disponível para PC a partir do dia 20 de outubro e com previsão de chegada nos consoles ainda em 2015.

Prós

  • Liberdade de escolha;
  • Universo vasto;
  • Jogabilidade intuitiva;
  • Grande nível de customização.

Contras

  • Narrativa fraca;
  • Passagem do tempo não é clara.
Rebel Galaxy — PC — Nota: 8.5
Revisão: Alberto Canen 
Gabrielle Mustafa estuda Sistemas e Mídias Digitais e é redatora no GameBlast. Só lembra de largar o controle para dividir tempo com seus outros vícios: animes, mangás, livros e bichos. É apaixonada por RPG’s, platformers, hack’n slash e qualquer outro jogo com uma narrativa incrível.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais