Blast Test

Street Fighter V (PS4/PC) beta foi um vislumbre do futuro da série

Jogadores de todo o mundo puderam testar o novo título de luta da Capcom em partidas online.


A desenvolvedora Capcom deixou os jogadores surpresos e animados com o anúncio de Street Fighter V. O jogo, que será lançado para PlayStation 4 e PC, promete novidades na jogabilidade e até mesmo na liberação de conteúdo. Mas é inevitável que muitos acharam o quinto episódio muito parecido com Street Fighter IV por conta do visual e vídeos de jogabilidade liberados anteriormente. Porém, felizmente, a Capcom decidiu criar um programa de beta para que os jogadores pudessem testar o título e opinar sobre as novidades. Confira o que achamos do primeiro beta do jogo.

Teste complicado

O primeiro beta de Street Fighter V foi muito falado, mas pelos motivos errados. O período de testes foi marcado para 23 de julho, só que jogadores de todos os cantos não conseguiram testar o jogo: os servidores da Capcom não deram conta e a desenvolvedora foi obrigada a adiar o primeiro período de beta. Depois de muitos testes e ajustes, uma nova data foi definida: 28 de agosto. Felizmente, dessa vez, tudo deu certo.

Quer dizer, quase tudo. O maior problema do beta foi o tempo de espera entre as partidas: muitos jogadores esperavam cinco minutos ou mais até conseguir encontrar um oponente — isso quando encontravam alguém. A sensação era a de que poucos jogadores estavam participando dos testes. Por conta disso, consegui jogar bem menos partidas do que gostaria. A maioria das lutas fluiu bem e o lag foi bem reduzido.
Seis personagens estavam disponíveis no beta

Jogabilidade familiar, mas diferente

Durante o beta, foi possível sentir como é a jogabilidade de Street Fighter V e como ela se difere do quarto título. A Capcom mexeu muito no sistema de jogo e a experiência é familiar, contudo diferente e nova. No geral, algumas coisas estão mais simples e amigáveis, mas a complexidade ainda existe. O resultado é um jogo que provavelmente agradará bem tanto novatos quanto veteranos.

Os combates estão mais frenéticos e a ação está mais rápida, principalmente por conta da maior facilidade em executar combos — desferir sequências matadoras é tarefa relativamente simples. Outra alteração interessante é a mudança de alguns comandos clássicos: Nash, por exemplo, executa seu Sonic Boom com o mesmo comando do Hadouken de Ryu — novatos terão mais facilidade em executar certos golpes.


As maiores novidades são os sistemas V. O V-Skill é uma habilidade ativada ao apertar soco médio e chute médio simultaneamente e pode ser utilizada quantas vezes quiser. Cada personagem faz algo diferente: Ryu apara golpes, Cammy faz um golpe que esquiva de ataques, M. Bison absorve projéteis, Chun-Li faz um golpe que lança inimigos para o alto. Já o V-Trigger gasta uma barra e provê alguma melhoria temporária, desde ataques mais fortes até mesmo habilidades únicas. Estes sistemas fazem com que cada personagem tenha jogabilidade bem distinta, tornando o combate ainda mais estratégico.

O jogo me pareceu balanceado e todos personagens pareceram oferecer chances iguais de vitória. Mas é bem capaz que detalhes do combate e força dos lutadores sejam alterados até a versão final — a Capcom está atenta aos comentários dos jogadores e tem alterado o título.


Combates estonteantes e detalhados

Mesmo ainda estando em desenvolvimento, é fácil afirmar que Street Fighter V tem ótimo visual. Em um primeiro momento e olhando fotos, alguns podem dizer que o quinto episódio se parece demais com Street Fighter IV, mas bastam alguns segundos para notar as grandes diferenças.

Em Street Fighter V, tudo é extremamente detalhado e os personagens são bem animados. Destaque especial para o movimento dos tecidos e dos cabelos. É tudo bem fluído e parece real — salvo momentos em que as tranças de Cammy começavam a girar loucamente. A taxa de quadros é sólida e ação acontece sem muitos engasgos — foram poucos os momentos com travadas e situações parecidas. O único porém são os estágios: prestando atenção, é possível notar que eles não são muito detalhados e até rodam em uma taxa de quadros diferente da dos lutadores. Até o lançamento final, esses detalhes devem ser resolvidos.


Promissor e interessante

O primeiro beta de Street Fighter V mostrou que o jogo tem tudo para ser um dos grandes destaques do gênero na nova geração. A jogabilidade está rápida, acessível e divertida, e os novos sistemas de jogo tornam os personagens bem únicos. Os problemas de conexão, a demora em encontrar oponentes e eventuais atrasos nas partidas acontecem, mas isso já era esperado por ser justamente um beta. Street Fighter V tem lançamento previsto para 2016.

Revisão: Jaime Ninice
Capa: Felipe Araujo
Farley Santos é brasiliense e gosta de explorar games obscuros e pouco conhecidos. Fã de Yoko Shimomura e Motoi Sakuraba, é apreciador de boardgames, game music, fotografia, livros e animes. Além de mostrar seus cliques no Flickr, tem também um blog onde escreve sobre inúmeros assuntos.

Comentários

Google+
Facebook


Podcast

Ver mais

No Facebook

Ver mais